Passe único. Fertagus tira bancos das carruagens para levar mais 20% de passageiros

Fertagus, Metro e Transtejo-Soflusa registaram aumento de passageiros no primeiro mês do passe único na Grande Lisboa. Empresa que faz a ligação ferroviária entre Lisboa e a Margem Sul vai mudar interior das carruagens. Segundo a Fertagus foram feitas mais 500 mil validações de títulos de viagem em abril do que em 2018

A Fertagus vai alterar o interior dos comboios para poder responder ao aumento do número de pessoas que estão a utilizar a ligação ferroviária entre Lisboa e Setúbal pela Ponte 25 de Abril. Até ao final deste mês vão ser retirados alguns bancos das carruagens, o que vai possibilitar o transporte de mais passageiros em pé.

Esta decisão pretende fazer face ao aumento de 20% de validações de títulos de viagem que a concessionária registou no primeiro mês do passe único, titulo que permite andar em qualquer transporte da Área Metropolitana de Lisboa pagando 40 euros (passe metropolitano) ou em cada um dos 18 municípios por 30 euros (título municipal). As subidas de procura também se registaram no metro de Lisboa (na ordem dos 4,4%) e nas ligações fluviais entre Lisboa e a Margem Sul (8,3%).

Com um aumento global de 20% na procura desta ligação entre as duas margens do Tejo - segundo a Fertagus foram feitas mais 500 mil validações de títulos de viagem em abril do que no mês homólogo de 2018 - fonte oficial da empresa adiantou ao DN que está ainda a ser estudado com o fabricante das carruagens, a Alstom, a hipótese de ser adicionada uma quinta composição no conjunto de quatro unidades que agora circulam.

No imediato avança as mudanças nas carruagens, uma decisão justificada pelo crescimento de procura "em termos globais na ordem dos 20%, sendo que ao fim de semana ultrapassa os 50%". Alertando que estes dados "carecem de validação e uma maturação do sistema, uma vez que o mês de abril foi um mês atípico [férias e feriados]", a empresa explica que está a "decorrer um conjunto de medidas que visam poder aumentar a capacidade oferecida, desde já a reformulação do interior dos comboios, de forma a melhorar a circulação dos clientes, que se espera ainda poder ser implementada no decorrer deste mês".

Lembrando que a Fertagus tem em prática uma campanha de informação sobre quais os comboios que andam mais lotados de forma a que os passageiros escolham o horário menos congestionado - nomeadamente entre as 07.00 e as 09.00 e as 17.00 e as 20.00 -, a empresa reconhece que tem registado "algumas situações pontuais, nas estações de Corroios e do Pragal, em que ficaram passageiros para o horário seguinte [a cadência é de dez minutos nas horas de ponta]".

Adianta também que avalia "com o fabricante do material circulante (Alstom) a possibilidade de se adicionar uma quinta carruagem nas unidades quádruplas elétricas (UQE) - comboios com quatro carruagens. É uma matéria que tem de ser estudada diretamente com o fornecedor dos comboios, mas que implica também outras intervenções que nunca serão conseguidas a curto prazo, nomeadamente a alteração da dimensão de algumas plataformas".

Além destas duas mudanças, está a ser preparado "um novo horário com o objetivo de responder melhor às situações de maior concentração de procura, que venham a demonstrar-se efetivamente necessários durante o mês de maio, primeiro mês de aplicação em exclusivo dos títulos Navegante, na Fertagus".

Transtejo com mais passageiros, mas sem mudanças

A Transtejo-Soflusa, responsável pelas ligações fluviais entre Lisboa, Seixal, Cacilhas, Trafaria, Barreiro, Porto Brandão e Montijo, adiantou ao DN que também registou uma subida de passageiros nas suas cinco ligações fluviais. Em comparação com abril de 2018, os barcos da empresa foram utilizados no mês passado por mais 130 mil passageiros, ou seja, um aumento de 8,3% de viagens.

Apesar desta procura, a empresa não vai reforçar para já a oferta de transporte - está em curso um concurso para a aquisição de barcos, mas o primeiro só deverá ser entregue em 2020. "Os atuais constrangimentos operacionais e de recursos humanos na TTSL inviabilizam o reforço da oferta do serviço público de transporte fluvial, em especial nos horários de ponta", explicou ao DN fonte oficial.

Metropolitano aumentou velocidade

Também o Metropolitano de Lisboa sentiu um aumento de viagens na sua rede. De acordo com os dados fornecidos ao DN registaram-se mais 580 mil viagens em abril do que no mês homólogo: passou de 13 346 382 passageiros para 13 928 273, ou seja, uma variação de 4,4%.

A empresa garante que o aumento da oferta de transporte tem conseguido responder à procura. "A implementação dos novos horários de comboios que ocorreu em meados de abril nas linhas Amarela, Vermelha e Azul, às horas de ponta da manhã e da tarde, possibilitou o aumento da velocidade para 60 km/h, o consequente aumento da frequência dos comboios e a inerente redução dos tempos de espera", explicou fonte do metro, que acrescentou: "Sempre que se verificarem variações significativas na procura, mesmo que pontuais, a oferta será adaptada, nomeadamente em eventos culturais e desportivos."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.