Um adeus europeu

Referendo extraordinário, o desta semana no Reino Unido. Desde logo, pela esperteza de Boris Johnson, que quando viu um referendo, a cheirar a referendo e parecer referendo, chamou-lhe referendo. E foi disso, exclusivamente do referendo, que Boris falou durante a campanha: "Let's get Brexit done" (em português, "Isto é sobre o Brexit, caragos!").

Então, Boris ia a um debate e respondia simples ao que o outro complicava sobre as inundações, daqui a uns anos, ocasionadas pela subida das águas do Tamisa. Dizia o nosso Boris: "Let's get Brexit done." Espantava-se o outro: "Mas eu estou a falar do Tamisa e do clima!" E Boris insistia: "Em janeiro o Brexit está feito."

Também os jornalistas tentavam distraí-lo e falavam-lhe do estado do Serviço Nacional de Saúde britânico (NHS, na sigla inglesa) e queriam mostrar-lhe a foto de um garoto a ser tratado no chão de um hospital. Boris, claro, não aceitou ver a imagem. Para Boris o assunto já se esgotara no precedente e inacabado Brexit (junho de 2016).

Há três anos, a sua campanha pôs autocarros londrinos a passear-se com aliciantes frases, embora inventadas. Diziam elas que sair da União Europeia poupava 350 milhões de libras por semana em contribuições para Bruxelas e tudo isso, com o Brexit, iria para o NHS. No fim da campanha, e com ela ganha, os chefes do "adeusinho UE!" (Boris Johnson e Nigel Farage) admitiram que não seria bem assim. E os factos (três anos de factos) demonstraram que o sair da Europa não seria parto sem dor... Não interessa, o que contou era ter-se chegado ao pré-Brexit, em 2016. Bastava confirmá-lo em 2019.

Se fosse um desafio de boxe, Boris saltaria para o ringue de sapatilhas, calções brilhantes, luvas e tronco nu. Mas era um referendo e Boris limitou-se a imitar Cassius Clay a dizer frases certeiras e demolidoras: "Let's get Brexit done."

Tivemos, então, Boris Johnson na atual campanha pelo referendo, sendo claro. O tal referendo que se via, cheirava, parecia - e era um referendo. Se fosse um desafio de boxe, Boris saltaria para o ringue de sapatilhas, calções brilhantes, luvas e tronco nu. Mas era um referendo e Boris limitou-se a imitar Cassius Clay a dizer frases certeiras e demolidoras: "Let's get Brexit done."

No seu canto, anacrónico, a pensar nos pais que apoiaram o bom lado da Guerra Civil de Espanha, a pensar em si próprio que apoiou o mau lado do IRA, com saudades de causas perdidas, umas certas outras nem tanto, mas todas passadas, o cágado do Jeremy Corbyn só se interessou em escamotear do Brexit.

As suas causas perdidas, as boas e as nem tanto, tinham um ponto comum: nenhuma fora pela Europa. Ora, desde que a esquerda inventara as férias pagas, nas Frentes Populares de 1936, nada fora inventado mais importante, política e socialmente, do que a Europa inventada pela Europa. Ao Corbyn das causas escapara-lhe a Europa. Isso amargura qualquer um. E a amargura nos radicais falhados não poucas vezes os leva ao papel de melhores cúmplices do adversário.

Durante a campanha do referendo que agora acabou, Jeremy Corbyn atuou como se estivesse numas eleições gerais. Fugia ao essencial, ao Brexit. Fugia ao assunto mais urgente e importante para a Europa, para o Reino Unido e para a Inglaterra. Agiu desviando as atenções, quando o grande combate é pela Europa.

Há 80 anos, Corbyn subiria para um caixote de orador, erguia o punho e cantava A Internacional, frente ao Parlamento inglês, naquele dia de 1940 em que o discurso de Churchill salvou a Europa. O assunto, então, juntava um continente contra a barbárie, e Corbyn não teria percebido... Agora, não percebeu mesmo.

No seu último dia de campanha, Boris Johnson fez-se fotografar com o seu canito, beijou-o e o todo tinha uma coerência: era um palhaço assumido. A coerência na política nunca embaraça. Isso nota-se e vota-se. E há uma foto de Jeremy Corbyn no twitter do Partido Trabalhista com o seu gato e a ler As Vinhas da Ira. O livro de Steinbeck é um monumento de indignação. Não aprendeu com ele, nem mesmo o folheou, quem hoje ignora a Europa. E isso nota-se e castiga-se.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG