Há mais 73 mil precários do que no ano da troika

O emprego tem recuperado, mas também à custa de contratos mais instáveis.

O número de trabalhadores por conta de outrem com contratos de trabalho precários tem crescido ao longo dos últimos sete anos e atingiu em 2018 o valor mais elevado desde 2011, o início da série calculada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

No ano da chegada da troika existiam 817,6 mil trabalhadores com vínculos laborais instáveis. Neste número estão incluídos os contratos com termo e outros tipos de contratos, denominados muitas vezes de atípicos; no ano passado, o número de trabalhadores com este tipo de vínculo laboral atingiu quase os 900 mil, ou seja, uma diferença acima dos 73 mil face a 2011.

Ao longo de toda a série do INE verifica-se sempre um aumento em termos absolutos do número de trabalhadores com contratos precários. Em termos relativos, a proporção da população empregada com este tipo de vínculos no total dos trabalhadores por conta de outrem tem-se mantido à volta dos 28% desde 2015.

De 2017 para 2018 subiu 2,2%, passando de 728,7 mil para 745 mil. Já em relação a outros tipos de vínculos o aumento foi ainda mais expressivo, com uma subida de 4,8%, passando de 139,7 mil em 2017 para 146,4 mil no ano passado. A boa notícia é que os contratos sem termo também subiram (2,8%).

Serviços lideram

De acordo com o Inquérito ao Emprego do INE, o setor dos serviços lidera, de longe, o número de contratos precários. Neste segmento incluem-se, por exemplo, as áreas do turismo (hotelaria, alojamento e restauração), mas também a saúde.

Os dados do INE revelam que neste setor de atividade trabalhavam mais de 531 mil pessoas com contrato a termo e mais de 116 mil em outras situações de contratos de trabalho, representando mais de 70% do total de trabalhadores por conta de outrem com vínculos precários.

O setor primário, que inclui a agricultura, floresta e pescas, é o que apresenta um menor número de trabalhadores com contratos a termo ou outro tipo de situação.

Mais mulheres

Por género, são as mulheres que têm mais contratos precários. Somando os vínculos com termo e os outros tipos de contratos, no ano passado existiam mais de 458 mulheres nesta situação. Os homens eram 433 mil. Ou seja, há quase mais 25 mil mulheres do que homens.

Em termos de evolução entre 2017 e 2018, registou-se um crescimento muito superior nos contratos a termo para as mulheres (4,2%) do que para os homens (0,3%). E o mesmo se passa para os outros tipos de contratos, com maior prevalência de vínculos atípicos nas mulheres. Num ano subiu mais de 6%, enquanto para os homens o aumento foi de metade, apenas 3,1%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.