Tudo igual no CDS ou um passo em frente de Rodrigues dos Santos?

Líder centrista conseguiu segurar o leme do partido, mas tem pela frente desafios pesados. Novos nomes para a direção, a ligação com a bancada parlamentar e autárquicas estão já aí .

Há quatro desafios incontornáveis para o líder do CDS, depois de ter conseguido, de forma muito suada, aprovada a sua oção de confiança no Conselho Nacional do partido por 54% dos votos, e com mais algumas demissões na direção à mistura. A começar por aqui, Francisco Rodrigues dos Santos tem de encontrar os rostos para substituir os vices que bateram com a porta, dois dos quais no próprio dia em que a moção foi aprovada, o que prometeu já anunciar na próxima semana; encontrar uma ponte de ligação com o grupo parlamentar, que nunca esteve com ele; gerir o processo de escolha de candidatos autárquicos; e fazer passar as bandeiras do partido.

"É uma tarefa gigantesca que tem agora pela frente e depois deste confronto com Adolfo Mesquita Nunes que ainda fragilizou mais o CDS", afirma ao DN um antigo dirigente do partido.

Depois do braço de ferro com o antigo vice-presidente de Assunção Cristas - que entretanto, veio publicamente dizer respeitar o veredito do Conselho Nacional - há quem também entenda "que está tudo igual". Ou seja, os problemas que já existiam no partido e as divisões internas se irão manter. A única expectativa é que os ânimos serenem até às eleições autárquicas. E se o CDS, que está a negociar as coligações com o PSD, não obtiver um bom resultado, a "guerra" voltará ao partido.

Sintoma disso, garantem fontes do CDS, é o aparente afastamento do vice-presidente mais ativo, António Carlos Monteiro, que não terá participado no Conselho Nacional online. O DN tentou confirmar em vão junto do próprio se se mantém na direção de Francisco Rodrigues dos Santos.

Confirmadas estão as demissões de Pestana Bastos e Tiago Oliveira (os dois que se demitiram após a renovação da confiança na Comissão Política Nacional), que eram vogais do órgão de cúpula do CDS.

"Se voto contra a moção dessa direção, tenho de retirar as ilações. Não posso votar a favor de um congresso e ficar. Entendo que um congresso era necessário para clarificar o rumo do partido. A moção de confiança não é suficiente para legitimar uma direção", disse Pestana Bastos à Lusa, a justificar a sua decisão. Tal como ele Tiago Oliveira, antigo presidente da distrital do Porto da Juventude Popular, também era um dos adeptos da realização da reunião magna.

A 28 de janeiro, o até então vice-presidente do CDS-PP Filipe Lobo d'Ávila e os vogais da Comissão Executiva Raul Almeida e Isabel Menéres Campos anunciaram que pediram a demissão dos respetivos cargos.

No dia seguinte, também os vogais da Comissão Política Nacional do CDS-PP Paulo Cunha de Almeida e José Carmo deixaram a direção, enquanto José Maria Seabra Duque e Tiago Leite saíram do gabinete de estudos do partido.

Entretanto, saíram também José Miguel Garcez, da Comissão Executiva, bem como Altino Bessa e João Medeiros, que eram vogais da Comissão Política Nacional. Francisco Kreye, da Comissão Política Nacional e que é secretário-geral da JP desde os tempos em que Rodrigues dos Santos era presidente da organização juvenil, também deixou o lugar.

Apelo à paz

"Aquilo que assisti no Conselho Nacional foi deplorável e faz imenso mal ao CDS. O partido não precisa que isto aconteça", afirma José Ribeiro e Castro. Da reunião, só retira "uma coisa boa": o discurso do presidente centrista. "Fez um bom discurso, com serenidade e com um rumo para o partido e com o qual o eleitorado do CDS gosta. Agora é preciso que o partido o ajude!"

O antigo líder do partido frisa que o Conselho Nacional anterior, em que a direção também foi confrontada com o apoio à candidatura de Marcelo também foi lesivo. "Não acho estranho que logo a seguir tenha aparecido uma sondagem que dava 0,3% ao CDS. Não há factos maus que não tenham consequências", diz.

José Ribeiro e Castro diz que é preciso bom senso e deixar a direção fazer o seu trabalho. Que deverá ser centrado, afirma, na preparação das eleições autárquicas. "É uma tarefa muito difícil para o partido e para o centro-direita e só com um bom acordo entre CDS e PSD é que se poderá conseguir uma vitória".

Aos críticos de Francisco Rodrigues dos Santos deixa o recado de que "só se queixam do que eles próprios provocam, que é a instabilidade e de colocarem o partido numa má situação".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG