Premium "Falta qualidade e igualdade na educação da América Latina"

O novo secretário-geral da Organização de Estados Ibero-americanos para a Educação, Ciência e Cultura (OEI), o espanhol Mariano Jabonero, falou ao DN em vésperas de visitar Portugal.

O espanhol Mariano Jabonero assumiu na terça-feira o cargo de secretário-geral da Organização de Estados Ibero-americanos para a Educação, Ciência e Cultura (OIE) numa cerimónia na Casa da América, em Madrid. Como prometido, a sua primeira viagem após tomar posse, sucedendo ao brasileiro Paulo Speller, será a Lisboa, nos próximos dias 9 e 10 de julho.

A língua portuguesa é a língua fraca na região ibero-americana?

O que tenho previsto para a OIE é que seja uma verdadeira região bilíngue. O espanhol e o português são as duas línguas que ocupam maior território em toda a América Latina e são as de maior crescimento e expansão. São as duas línguas francas do espaço ibero-americano, que é um espaço muito grande, até com uma presença cada vez mais importante e notável em países de língua inglesa, como os EUA.

É então importante apostar no português....

Sim, para mim tem tanta importância quanto o espanhol dentro da OIE. É preciso dar conteúdo político, conteúdo orgânico, à língua portuguesa e à cultura portuguesa, dentro de uma região que tem que ser, necessariamente e realmente, bilingue.

Na educação, Portugal é um país que está a subir nos rankings do PISA (Programa Internacional de Avaliação de Alunos). O que estamos a fazer bem e que exemplos podemos exportar para outros países ibero-americanos?

Essa exportação de políticas sociais, de cultura, é quase impossível, porque as condições de cada país são muito diferentes. Dito isto, acho que na OIE temos que dar valor às coisas boas e às coisas que se fazem bem na nossa região. E começar a superar um certo colonialismo pedagógico. De repente aparecem modelos de referência que são magníficos, que são maravilhosos, como o da Estónia, Finlândia, Singapura ou Coreia, que são modelos que são de sucesso, evidentemente, mas muito longe das nossas realidades. Contudo, junto a eles, não aparece o facto de Portugal ser o país, entre todos os europeus, que até com a intervenção da troika pelo meio, melhorou mais a qualidade educativa nos últimos anos. É há outro dado que é quase desconhecido, que quando conto as pessoas ficam surpreendidas. O país que mais avançou no PISA, em todo o mundo, foi o Peru, que subiu 42 pontos. É preciso contar isso, porque algo de bom fizeram no Peru para que isso tivesse acontecido. Acho que é esse o papel da OIE, dar valor às coisas boas, aos bons exemplos, de boa prática dos países ibero-americanos.

E quais são os principais problemas de educação no espaço ibero-americano?

A falta de qualidade e de igualdade. Na América Latina chegou-se a uma taxa de cobertura de educação primária e básica de 100%. O problema quantitativo que existia até agora, já não existe. As crianças vão à escola, salvo excepções. Têm acesso à escolaridade primária e básica, entre os 5 e 6 anos e entre os 13 ou 14 anos. É uma conquista histórica. Mas é uma escola que reproduz as desigualdades da região. A região latino-americana é uma das regiões mais desiguais do mundo. Brasil, Guatemala ou Colômbia são países recordistas mundiais da desigualdade, na diferença entre ricos e pobres, uma desigualdade que se "encarrega" de perpetuar essa desigualdade.

Além disso a qualidade da educação é baixa. É baixa porque os níveis são baixos, porque os profissionais que se contrataram nos últimos anos, foram milhões de professores para atender a uma escolarização massiva, são milhões de docentes com baixo nível de formação. E o sistema de avaliação da qualidade na América Latina, a prova que te dá a informação, para poder corrigir, é recente. Há países da região que estão a incluir agora o nível PISA, enquanto outros países, como Portugal, já lá estão há 20 anos. E há outro fator, que é a grande diferença entre países. Há países em que se parte de situações de precariedade e dificuldade muito graves, como os países da América Central, que não nos podemos esquecer estava em guerra civil há 15 anos.

Ainda há países com problemas graves, como a crise económica, social e política na Venezuela, ou a crise na Nicarágua. Também terá impacto na educação...

Sim, porque as sociedades civis e os políticos mudam de foco. Neste momento, na Nicarágua, o foco está precisamente na crise de violência, grave, muito grave, com centenas de mortos, que faz com que tudo o resto fique em segundo plano. Se a isso acrescentamos o facto de a Nicarágua ter sido sempre um dos países mais pobres da América Latina, então vemos que o nível de precariedade é muito complicado. Na Venezuela, é algo parecido. É um país no qual há um conflito político muito complexo e já muito longo, e que de uma forma ou outra afeta o funcionamento normal das instituições e do sistema educativo.

A escola é uma instituição muito resistente e muito difícil de mudar

E nos países onde não há esses problemas, será que se estão a preparar os alunos para o século XXI?

A escola é uma instituição muito resistente e muito difícil de mudar. A escola sempre foi muito opaca. O problema da resistência à mudança é porque, nos últimos 15 ou 20 anos, houve muitas reformas educativas, com mudanças muito rápidas, algumas que não foram até ao fim, e isso fez com que os docentes ficassem céticos. E quando um político vem anunciar mais uma reforma, muitos professores acabam por dizer: mais outra?. E isso gerou inquietude, insatisfação. Por outro lado, o que se fala agora é de uma mudança crucial na escola. Porque o mundo também mudou de uma forma como nunca tinha mudado. Há um dado objetivo. Nunca a educação foi tão importante, a nível da sociedade do conhecimento, mas nunca foi menos garantia. Há 30 ou 40 anos, um rapaz ou uma rapariga fazia o curso de advogado, médico, engenheiro e tinha a vida resolvida. De certeza. Agora não. Tem um curso e tem que fazer um segundo curso. Não há trabalho, há precariedade. E tudo tem a ver com as competências que são exigidas pela sociedade, que são distintas. São as competências comunicativas, científicas, digitais e, muito importantes também, as de nível emocional. Ter boa relação, ter capacidade de trabalhar em equipa, entender-se, ser tolerantes. Tudo isso é um mundo muito novo.

Para essas pessoas, de baixo nível de rendimento, entrar na universidade é mais caro do que era antes para outras pessoas que tinham melhores níveis de rendimento

E ao nível universitário?

Temos um problema muito grave. O ensino universitário expandiu-se de forma meteórica na América Latina, porque felizmente houve um aumento da classe média, houve milhões e milhões que saíram da pobreza. Essa classe média tem filhos que estão a entrar na universidade que são os primeiros da sua família a fazê-lo. Como ocorreu em Espanha e Portugal há uns anos, com uma mudança sociológica. Então, neste momento, há milhões de jovens que entraram na universidade e o que está a acontecer é muito problemático. Por um lado, as universidades públicas, uma parte, não todas, estão a subir os preços das matrículas. Portanto, para essas pessoas, de baixo nível de rendimento, entrar na universidade é mais caro do que era antes para outras pessoas que tinham melhores níveis de rendimento. Porque os custos com os estudos subiram. E, em segundo lugar, ampliou-se a oferta de universidades que eu podia qualificar, sem dúvida alguma, de baixa qualidade. Além disso, é muito complicado validar os títulos noutro país. Mas a mobilidade de jovens entre países é altíssima. Acho que temos que fazer esforços para uma maior transparência do sistema. Saber o que estudam ou não, de que forma, e depois remover obstáculos.

PERFIL

Mariano Jabonero nasceu em 1953 em San Martín de Valdeiglesias, Madrid. Licenciado em Filosofia e em Ciências da Educação pela Universidade Complutense, desempenhou funções técnicas no Ministério da Educação espanhol.

Professor da Faculdade de Educação da Universidade Complutense, é autor de inúmeros artigos, textos e conferências, especialmente sobre educação e Ibero-América. Trabalhou em todos os países ibero-americanos, tendo vivido em vários deles como consultor ou especialista da UNESCO, PNUD, Organização de Estados Americanos e OEI. Entre 2003 e 2010, foi diretor geral da OEI.

Foi diretor de Educação da Fundação Santillana, realizando numerosas iniciativas de cooperação educacional com a UNESCO, a UNICEF e vários governos da região. Recebeu diferentes distinções pela sua dedicação à educação e à cultura, entre elas, a Ordem de Afonso X, O Sábio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.