Um super em cada esquina: abriram quatro por semana em 2020

Pandemia não travou expansão da rede das cadeias. Até ao outono, foram inauguradas cerca de 200 lojas no país - e para o ano, ao que tudo indica, o ritmo não deverá abrandar.

Nem a pandemia parou a fúria de aberturas no retalho: até setembro foram 197 lojas, com os supermercados a liderar a expansão. Abriram 134 supers, uma média de quatro por semana nos primeiros nove meses. Que põe o investimento acima de 474 milhões em lojas novas em 2020. Até setembro, havia 4117 espaços de grandes cadeias no país.

Os dados do Sales Index, da Marktest Consulting, são até setembro, mas não houve abrandamento desde então. "Temos registo de mais um conjunto muito relevante de novos espaços e remodelações, com grande investimento", adianta Gonçalo Lobo Xavier, diretor-geral da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED). O dinamismo é mais expressivo no retalho alimentar, onde "a grande maioria dos investimentos e projetos de expansão previstos para 2020 não sofreram cortes radicais, apenas um reajuste da planificação da abertura das lojas. Não se parou o plano de crescimento previsto" e em alguns casos "até superou a expectativa". Até setembro, havia 2999 supermercados, mais 4,7% do que há um ano.

No retalho especializado - desde o início da pandemia, em março, "sempre em perda e sofrimento - o ano não foi tão animado, tendo aberto portas 63 lojas e elevando para 1118 o número de espaços das grandes cadeias. "Há segmentos em que se manteve, com coragem e resiliência, o plano de crescimento previsto. A área da moda foi das que, provavelmente, mais sofreram com o confinamento e a mudança de hábitos dos portugueses, mas há subsegmentos, como os sapatos desportivos, que mantiveram planos de expansão. Na eletrónica também se mantém, apenas com reajustes nos timings", diz Gonçalo Lobo Xavier. O retalho emprega 130 mil pessoas, mas "não há ainda indicação do valor líquido de criação de postos de trabalho com as aberturas. O que posso assegurar é que não despedimos e isso é importante."

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG