Vistos gold já renderam quase quatro mil milhões de euros

Desde que foi criado, há seis anos, instrumento ajudou a captar 3.895.295.041,37 euros, dos quais 366.144.760,19 euros por transferência de capital e 3.529.150.281,18 euros pela compra de imóveis, segundo dados estatísticos do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Em junho, o investimento resultante da Autorização de Residência para a atividade de Investimento (ARI), como também são conhecidos os vistos 'gold', atingiu 52.849.429,34 euros, uma subida de 34,6% face a igual período de 2017 (39.250.091,91 euros).

Relativamente a maio, o investimento caiu 28%.

Do total do montante captado em junho, a maior parte é proveniente da compra de bens imóveis (49.751.115,83 euros), enquanto a transferência de capital ascendeu a 3.098.313,51 euros.

No mês passado foram concedidos 90 ARI, dos quais 87 por via do critério de aquisição de imóveis. Do total destes últimos, quatro foram concedidos através de imóveis para reabilitação urbana.

Até final de junho tinham sido concedidos um total de 164 vistos 'dourados' por via de compra de imóveis para reabilitação, sendo que o primeiro foi atribuído há quase dois anos (julho de 2016).

A transferência de capital foi responsável pela atribuição de três vistos.

No primeiro semestre, o investimento captado através deste instrumento totalizou 484.029.198,98 euros, o que representa uma queda de 18,8% (596,4 milhões em igual período de 2017).

Em termos acumulados - desde que os vistos 'gold' começaram a ser atribuídos, em 08 de outubro de 2012, até junho último -, o investimento total captado ascende a 3.895.295.041,37 euros, dos quais 366.144.760,19 euros por transferência de capital e 3.529.150.281,18 euros pela compra de imóveis.

Desde a criação deste instrumento, que visa a captação de investimento, foram atribuídos 6.369 ARI: dois em 2012, 494 em 2013, 1.526 em 2014, 766 em 2015, 1.414 em 2016, 1.351 em 2017 e 816 em 2018.

Em termos acumulados, desde a sua criação até junho, foram concedidos 6.017 vistos pelo requisito da aquisição de bens imóveis, 341 por transferência de capital, e 11 pela criação de, pelo menos, 10 postos de trabalho.

A China lidera a lista de ARI atribuídas (3.890 até junho), seguida do Brasil (561), África do Sul (254), Turquia (224) e Rússia (222).

As novas regras para a obtenção de vistos 'gold', que alargaram os critérios de investimento para cidadãos fora da União Europeia a áreas como reabilitação urbana e ciência, entre outras, entraram em vigor em 03 de setembro de 2015.

Desde 2013 foram atribuídas 10.793 autorizações de residência a familiares reagrupados: 576 em 2013, 2.395 em 2014, 1.322 em 2015, 2.344 em 2016, 2.678 em 2017 e 1.478 em 2018.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.