Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

Governo pede à CGD que apure responsabilidades. Banco de Portugal indica que terá auditoria em conta nos processos de supervisão que atribuem idoneidade aos administradores.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) teve um maior nível de perdas com crédito na construção e imobiliário que os outros bancos portugueses. E dos 46 créditos de risco identificados pela auditoria preliminar da EY, em sete o banco público assumiu perdas totais com esses empréstimos.

No financiamento concedido a Manuel Fino, o banco público perdeu 138,3 milhões de euros. Também no fundo Jupiter, acionista da La Seda, a CGD assumiu uma imparidade total no empréstimo de 89,2 milhões de euros. E na Always Special, uma sociedade com ligações ao grupo Lena, o financiamento de 44,3 milhões de euros foi dado como totalmente perdido, segundo a auditoria preliminar da EY, divulgado pela comentadora Joana Amaral Dias, e a que o DN/Dinheiro Vivo teve acesso.

Além destas três entidades, houve outras em que a CGD assumiu uma imparidade (perda reconhecida no crédito) na ordem de 100%. Noutro dos grandes financiamentos, à AE Douro Litoral, a Caixa assumiu uma imparidade de 80% no valor de 122,6 milhões de euros. Na Artlant, a fábrica da La Seda em Sines que foi um dos empréstimos com maiores prejuízos para a CGD, a perda foi de 60%, um buraco de 211,2 milhões de euros.

Perdas na construção acima do setor

Face aos outros bancos portugueses, a auditoria preliminar da EY concluiu que a CGD assumiu perdas bem maiores no setor da construção e imobiliário.

"O volume de imparidades da CGD evoluiu de 46,9% em 2013, para 58,1% em 2015", é referido no documento da consultora. A EY detalha que "contrariamente, os restantes players apresentaram uma tendência de redução das imparidades ao setor da construção e imobiliário". O BPI fechou 2015 com um nível de imparidade de 14,1% nesse setor. O Novo Banco com 28,8% e o BCP de 13,2%.

Nos empréstimos analisados pela EY foram detetados financiamentos concedidos com pareceres desfavoráveis das análises de risco, sem terem tido toda a informação exigível e sem as garantias reais necessárias em situações de maior risco.

Os créditos mais problemáticos foram concedidos entre 2007 e 2012, altura em que o banco foi liderado por Carlos Santos Ferreira, que sairia do banco público para o BCP, e por Faria de Oliveira. O atual presidente da Associação Portuguesa de Bancos garantiu, numa entrevista à RTP, que nunca facilitou créditos.

Governo pede à CGD para apurar responsabilidades

A auditoria da EY foi pedida pelo Governo. O ministério das Finanças esclareceu ontem que "no âmbito do exercício da sua função acionista, deu instruções à CGD para que o relatório fosse remetido ao Banco de Portugal e ao Mecanismo Único de Supervisão do Banco Central Europeu, bem como a outras autoridades judiciais, de inspeção, de supervisão ou em matéria tributária".

A auditoria não foi disponibilizada ao Governo por conter "informação sujeita a sigilo bancário", argumentam as Finanças. Ainda assim, indicou que " solicitou à administração da CGD que fossem efetuadas todas as diligências necessárias para apurar quaisquer responsabilidades", e que transmitiu à equipa liderada por Paulo Macedo "a necessidade de tomar as medidas adequadas para a defesa da situação patrimonial da CGD".

O DN/Dinheiro Vivo questionou fonte oficial da CGD sobre que medidas foram tomadas, mas não obteve resposta até ao fecho da edição.

BdP atento a informação para aferir idoneidade

Questionado sobre o que foi feito para prevenir situações semelhantes às detetadas pela auditoria preliminar da EY na CGD, o Banco de Portugal disse ter "em atenção toda a informação relevante para efeitos de supervisão prudencial".

Nesta componente da vigilância, o Banco de Portugal avalia a adequação e idoneidade dos candidatos a administradores de instituições bancárias. Os resultados da auditoria serão tidos em conta nessa análise. E poderão complicar a obtenção da autorização que tem de ser dada pelo supervisor a antigos responsáveis da CGD que pretendam desempenhar funções de administração em instituições bancárias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.