Emprego de son(h)o: só tem de dormir e no fim do mês recebe mil euros

Empresa de Paços de Ferreira publicou oferta de emprego peculiar. Em menos de um dia, já recebeu 300 candidaturas

O anúncio está online em várias plataformas de oferta de emprego e diz o seguinte: "A Desonno está a recrutar uma pessoa para dormir 8 horas por dia, de segunda a sexta-feira, durante o mês de setembro. Proporcionamos excelentes condições de trabalho, a começar desde logo pelo colchão e almofada, escolhidos à medida e conforto do candidato selecionado. Oferecemos um salário de 1.000€, após um mês de noites bem dormidas". O anúncio é verdadeiro e impõe apenas uma condição: "o candidato deve estar disponível para passar cada noite de sono nas instalações da Desonno, em Paços de Ferreira".

Não é brincadeira, mas uma campanha de marketing da empresa Desonno, que pretende tornar a marca mais conhecida.

Catarina Santos, diretora de marketing da empresa, é clara: "O objetivo é sermos conhecidos e, claro, aumentar as vendas", diz, ao DN, reconhecendo que a ideia do seu departamento é criativa e vai certamente tornar este "emprego de sono" numa forma de levar a marca portuguesa a estar representada em mais lojas em todo o país.

A Desonno existe há cinco anos mas esta é a primeira vez que lança uma campanha de marketing que é também uma oferta de emprego temporário.

"Não procuramos um jovem ou uma pessoa mais velha. Não estamos à procura de um determinado perfil. Queremos uma pessoa dinâmica e é por isso que a vaga irá para o candidato com a proposta mais original", explica a responsável.

A candidatura é submetida através do site e pede-se aos candidatos que escrevam um texto criativo, mas podem (e devem) adicionar vídeos ou fotografias.

A empresa está a preparar as instalações da empresa para albergar o candidato. A pessoa escolhida vai experimentar de quatro a cinco modelos de colchões, mas terá de dormir pelo menos seis dias em cada um deles, uma vez que esse é "o tempo que o corpo demora a adaptar-se a um novo colchão".

No final do mês - que será a 3 de outubro - tem de dar a sua opinião sincera sobre cada um dos modelos. E se partilhar imagens ou comentários sobre a experiência nas redes sociais, "ainda melhor", admite Catarina Santos.

A oferta de emprego já está a ser um sucesso. Desde quarta-feira, quando foi publicada, a empresa já recebeu 300 candidaturas, a maioria de candidatos no norte do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.