Bruxelas avisa que país cria muito emprego pouco qualificado

Comissão Europeia aponta dedo à "elevada proporção de empregos criados em setores de perfil de baixas qualificações" e salários baixos

Portugal está a conseguir criar emprego e a um ritmo significativo, mas o número de postos de trabalho associados a qualificações mais baixas e a salários reduzidos é "elevado", alerta a Comissão Europeia, em resposta a questões do DN/Dinheiro Vivo. Isto encerra perigos.

A tendência, que não é nova sequer, limita o potencial da economia, o crescimento a prazo, além de ser um impedimento para as pessoas virem a ter mais rendimento, poder de compra e maior qualidade de vida. A falta de investimento dos últimos anos pode ter agravado ainda mais o problema, pois acabou por limitar ainda mais as oportunidades, têm alertado repetidamente várias instituições, como a própria Comissão, o FMI, o Banco de Portugal ou a OCDE.

O DN/Dinheiro Vivo procurou saber junto da Comissão, em Bruxelas, o que pode explicar o embaratecimento aparente da economia via fator trabalho (comparativamente aos seus parceiros europeus) quando há várias medidas no terreno para devolver salários, como a atualização do salário mínimo.

Um porta-voz da Comissão foi bastante claro: os custos unitários do trabalho podem estar a evoluir muito devagar, porque há sinais de que a produtividade recuperou um pouco, mas alerta que o problema pode estar nos salários baixos, na concentração da criação de emprego em atividades onde dominam as baixas qualificações. "Em 2017, o abrandamento verificado nos custos unitários do trabalho deveu-se, principalmente, ao facto de o crescimento dos salários ter continuado a ser lento. Isto pode ser explicado pela elevada proporção de empregos a ser criados em setores com perfis de baixas qualificações e salários abaixo da média", diz o responsável da Comissão. Ainda assim, a mesma fonte oficial aceita que "as melhorias na produtividade estão, de facto, a conduzir a uma moderação adicional esperada nos custos unitários do trabalho em 2018".

Tal como o DV noticiou nesta semana, citando as novas previsões de Bruxelas, os custos do trabalho por unidade produzida (CTUP) devem subir apenas 0,8% em 2018 (a sétima variação mais baixa em toda a União Europeia) e, em 2019, o país passa a ser quarto nesse ranking (os custos sobem só 0,9%). O CTUP é o rácio que relaciona a evolução do salário nominal por trabalhador (numerador) com a produtividade aparente da economia (denominador).

Segundo Bruxelas, a produtividade por trabalhador está a evoluir mais rápido do que os salários. A primeira cresce 2,3% em 2018 e 2019, ao passo que o salário médio por empregado não sobe além de 1,7% ou 1,8% nos próximos tempos. Daí o embaratecimento aparente do país.

Mas a Comissão pode estar a tentar dizer mais. A economia está mais barata, não porque tenha saltado níveis na qualidade da gestão, dos processos e da produtividade, mas porque simplesmente é uma economia baseada em empregos piores em qualificações e em que as pessoas ganham abaixo da média.

Os últimos dados conhecidos, divulgados na semana passada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), mostram que a recuperação do emprego continua a um ritmo bastante favorável, tendo avançado 3% entre o terceiro trimestre de 2016 e igual período deste ano. Mais 141,5 mil empregos em apenas um ano.

Apesar de haver sinais de que a precariedade, embora elevada, está a aliviar, as profissões associadas a qualificações mais baixas e a salários mais fracos dominam a criação de emprego total. Neste período, somando os empregos criados nas profissões "pessoal administrativo", "trabalhadores dos serviços pessoais, proteção, segurança e vendedores", "operadores de instalações, máquinas e da montagem" e "trabalhadores não qualificados", chega-se a um total de 96,4 mil postos de trabalho criados: mais de 68% da expansão total do emprego no último ano.

Este fenómeno já dura há muito tempo, talvez daí a inquietação de Bruxelas. Fazendo um balanço desde que o atual governo subiu ao poder (final de 2015), dados do INE mostram que foram criados 241,5 mil empregos (mais 5,3%). Destes, 64% ou 154,5 mil foram nas quatro categorias profissionais associadas a qualificações e salários baixos. E pode fazer-se a retrospetiva da saída da crise. O emprego nacional bateu no fundo no 1.º trimestre de 2013, em pleno ajustamento do governo PSD-CDS e da troika. Desde aí, foram recuperados 448 mil postos de trabalho, mas 55% ou 247 mil foram nas tais quatro profissões.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.