INE sem dados para avançar taxa de desemprego de março, fevereiro em 6,4%

Estimativas de fevereiro, antes da pandemia, foram revistas em baixo.

A falta de informação recolhida presencialmente impediu que o INE apresentasse esta quarta-feira uma estimativa para a taxa de desemprego de março, com o instituto a lançar apenas uma revisão das estimativas quanto à taxa de desemprego em fevereiro, no período anterior à pandemia do novo coronavírus. A taxa de fevereiro é revista em baixo, para 6,4%.

Na nota de divulgação estatística que deveria avançar a estimativa da taxa de desemprego de março, o INE explica que "estas estimativas requeriam que se introduzissem, ainda que parcialmente, observações já respeitantes ao mês de abril", o que não terá sido possível. "Neste mês, a recolha de informação através de contactos presenciais cessou, passando a sua obtenção a basear-se exclusivamente em entrevistas telefónicas cujo tratamento estatístico está em curso", justifica o organismo, com um apelo "à melhor colaboração de cidadãos e de entidades públicas na resposta às solicitações do INE".

mês de março deverá já assistir a uma subida na taxa de desemprego. Os inscritos nos centros de emprego terão ficado em 343.761, nos dados do Instituto de Emprego e Formação Profissional já divulgados. Traduzem uma subida de 3% face há um ano, e de 9% face aos números de fevereiro, com o volume de desemprego num máximo de 14 meses Já em abril, os indicadores do Ministério do Trabalho apontavam a um total de 377.484 desempregados inscritos até à passada segunda-feira.

Mas, por enquanto, não há indicador oficial de desemprego para março. Quanto a fevereiro, o INE diz agora que a taxa de desemprego ficou em 6,4%, retirando uma décima ao peso dos desempregados na população ativa face à anterior estimativa.

Nesse mês, caiu o número de desempregados, para 331.600, numa descida de 1,4% por comparação com o mesmo mês do ano passado e de 5,8% face a janeiro. Mas também caiu a população empregada (menos 0,4% tanto em relação a fevereiro de 2019 como em relação ao mês anterior). A população ativa também recuou 0,3% em termos homólogos, e 0,7% face a janeiro.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG