Fazedores que inovam são essenciais para o futuro do país

O Dinheiro Vivo comemorou o seu 10.º ano de vida com uma conferência sobre o "Futuro dos Fazedores". Investir num ecossistema de inovação contínua é fundamental.

Uma temática foi dominante na conferência comemorativa dos 10 anos do Dinheiro Vivo: mais do que fazedores (que são importantes), o país (e o mundo) precisa de inovadores. Pessoas com a capacidade de pegar num sonho e dar-lhe vida. De concretizarem e passarem à ação.

Carlos Moedas, presidente da Câmara Municipal de Lisboa - que discursou na sessão de abertura do evento -, falou em três tipos de personalidades fundamentais: os pensadores, os sonhadores e os fazedores. Para o autarca, "sem eles não há crescimento, não há produtividade, não há competitividade e não há produção de riqueza".

E sobre a inovação, a opinião coincidente entre Maria José Campos, administradora do BCP, Teresa Abecasis, administradora da Galp, e Marta Sousa Uva, CEO da A-To-Be by Brisa, é de que as empresas deveriam apostar em ecossistemas de inovação aberta, assentes em parcerias.

No caso da Galp, por exemplo, a inovação permitiu-lhe transformar o que era uma empresa petrolífera pura e dura numa organização que tem como objetivo ser neutra em carbono até 2030. Está a reconverter a refinaria de Sines, não só para transformar o espaço num hub de inovação, capaz de se posicionar num ecossistema de inovação mundial como capaz de ombrear na produção de energias renováveis, nomeadamente no solar, biocombustíveis e hidrogénio verde. Sobre este último, que, a par do lítio, é essencial para o futuro da mobilidade elétrica, a empresa, nas palavras da sua administradora, tem como objetivo ter em 2030 um gigawatt de capacidade instalada.

Com tudo isso, a Galp quer alterar a perceção e imagem que (ainda) tem junto do público. Dar a conhecer que é um dos maiores players ibéricos de produção de energia solar e que lidera, em Portugal, nos pontos de carregamento de viaturas elétricas.

Mas quando falamos de futuro não basta mencionar a parte da produção de energia. A estratégia de descarbonização passa igualmente pela infraestrutura - onde a Brisa, e mais precisamente a A-To-Be by Brisa, dá cartas - e por algo tão essencial como a parte financeira do negócio. Seja a nível individual - com o aparecimento de novas formas de pagamento digital - seja no segmento corporativo, com a banca a ter de inovar no sentido de apresentar novos produtos e serviços. Sobre isso, Maria José Campos afirmou que "vamos assistir a uma fase de convergência em que a banca tradicional vai incorporar muitas destas tecnologias", acrescentando que a próxima utilização do blockchain será, muito provavelmente, no central bank digital currencies.

Mas se é importante apostar na inovação, esta tem de ter um caráter contínuo. Porque, como alertou Marta Sousa Uva, não basta pegar num bom produto e exportá-lo. "Se não tivermos inovação contínua, este rapidamente se torna obsoleto", conclui.

Desafios a superar na inovação

Embora Portugal tenha um currículo ímpar no que à criação de startups diz respeito, gestores e empreendedores alertam que é necessário superar alguns obstáculos de forma a aproveitar em pleno a sua capacidade de inovação. De acordo com Luís Rodrigues, diretor-executivo da Startup Braga, o país está "13% acima da média europeia de startups per capita" e regista um crescimento de 40% no número de incubadoras entre 2016 e 2021. Entre os desafios a superar, aponta a escassez de talento no mercado - em particular no setor das TIC - e a falta de investidores para todas as fases de desenvolvimento de projetos inovadores como alguns dos principais. O responsável defendeu ainda a "ambição de tornar Portugal numa startup nation", sendo para isso necessário construir um quadro regulatório e fiscal atrativo para a fixação de novas empresas.

Ainda no campo da disrupção, Alexandre Fonseca, CEO da Altice, aproveitou a intervenção na conferência para reafirmar o compromisso da gigante de telecomunicações em "colocar Portugal a uma só velocidade" através da expansão do 5G. E porque a nova geração móvel promete impactar de forma positiva vários setores de atividade, como a indústria ou a saúde, o empresário sublinha ser preciso segurar "talentos e cérebros" que continuem a criar projetos inovadores. "É fundamental continuar a investir no ecossistema empreendedor", reforçou, pouco depois de terem subido a palco cinco empreendedores portugueses que estão a inovar na logística, na mobilidade e na saúde.

Alexandre Fonseca lembrou ainda a longa duração do leilão do espectro 5G, que se prolongou por 11 meses, e criticou, uma vez mais, os efeitos causados pela demora na disponibilização da rede. "Deixou-nos, pela primeira vez na história das telecomunicações, na cauda da Europa", afirma o gestor.

O CEO não tem dúvidas de que "as fábricas e os gestores portugueses" estiveram em desvantagem concorrencial em relação a outros países, diminuindo a competitividade da economia nacional. Agora, diz, é tempo de seguir em frente e trabalhar para apanhar o comboio da nova geração móvel, que acredita ser uma ferramenta essencial em temas cada vez mais relevantes na sociedade digital - cibersegurança, criptomoedas e sustentabilidade. "O 5G será decisivo para a melhoria da sustentabilidade", remata, apelando a um maior coinvestimento público e privado na rede de comunicações nacional.

"Fazedores somos todos nós"

Marco Galinha, CEO do Global Media Group, deu as boas-vindas aos participantes no evento sublinhando que "fazedores somos todos nós". Aludindo ao período em que o jornal nasceu, em plena intervenção da troika, disse que "foram 10 anos de resiliência, de determinação", acrescentando que "estamos aqui para apoiar este tipo de projetos".


Jornalistas do Dinheiro Vivo

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG