De Sonja Heikkil a Maik Stephan, o perfil de 10 oradores

O Portugal Mobi Summit chega hoje ao campus universitário da Nova SBE, em Cascais. Durante dois dias, cerca de 60 oradores vão participar em debates, entrevistas em palco, keynotes ou sessões especiais, partilhando a experiência e também os seus pontos de vista em matérias como mobilidade, cidades inteligentes, economia partilhada, tecnologias ou desafios da sustentabilidade ambiental.

Se quiser conhecer melhor quem são alguns dos cerca de 60 oradores presentes na cimeira Portugal Mobi Summit consulte um breve perfil destes dez que selecionámos, passando também em revista os temas que eles trazem na bagagem para partilhar com o público português


Sonja Heikkilä |Especialista em Mobility as a Service (MaaS)

A revolução da mobilidade como um serviço
Sonja Heikkilä caiu nas bocas do mundo quando, aos 24 anos, cofundou o conceito de Mobility as a Service (MaaS). O ponto de partida foi a investigação para a tese de mestrado, mas rapidamente saltou para o mundo real, quando se estreou como engenheira de transportes no departamento de planeamento urbano da câmara de Helsínquia, entre agosto de 2013 e dezembro de 2014.

A capital e a cidade mais populosa da Finlândia continua a perseguir o sonho de Sonja e tem como objetivo dispensar o uso do automóvel, enquanto propriedade individual, até 2025. A ambição tornou-se possível graças a esta engenheira de transportes que revolucionou o conceito de mobilidade, combinando serviços, negócios e design de produto. Sonja Heikkilä é uma das grandes expectativas do Portugal Mobi Summit e promete demonstrar como as cidades sem carros estão cada vez mais distantes da utopia e mais perto da realidade.

Johan van Ieperen | Dir. Soluções Transporte Público e Sustentabilidade do PTV

Viajar pelas cidades para antecipar o rumo dos transportes
A mobilidade não é apenas a área de especialização de Johan van Ieperen. É também o seu modo de vida, já que nunca teve um poiso definitivo para trabalhar. Na Alemanha, onde se formou em Engenharia Civil, integrou as equipas das principais consultoras de transportes. Em Bruxelas, geriu tecnologias de informação para a Associação Internacional de Transportes Públicos. A sua investigação está sobretudo ligada às novas soluções integradas em software para plataformas digitais, mobilidade elétrica ou bilhética eletrónica. Em 2017, Johan mudou-se para o PTV, líder mundial de software para planeamento e gestão de tráfego, logística e transportes. #A sua tarefa neste grupo alemão é deambular pelas cidades, observando as suas dinâmicas de mobilidade para com isso conseguir antecipar inovações em transportes públicos seja para realidades multimodais e planeamento de rotas, como para combater a poluição, o ruído ou regular do espaço público.


Charles Landry | Cocurador do PMS 2019 e consultor internacional sobre o futuro das cidades

O sonhador que ensina a imaginar as cidades do futuro
Quando, no final dos anos 1980, pouco ou nada se falava de smart cities, Charles Landry inventou o conceito de cidades criativas. Hoje estamos familiarizados com as soluções tecnológicas, urbanísticas ou ambientais que visam melhorar a qualidade de vida nos centros urbanos. Há quatro décadas, porém, Landry esteve entre os pioneiros desta tendência, usando a criatividade para definir estratégias que permitiram cidades como Helsínquia, Adelaide, Cracóvia, Taipé ou Plymounth responder aos desafios da sustentabilidade. O seu percurso é tão vasto e o seu peso como influenciador de políticas urbanas é tão relevante que se tornou uma autoridade mundial. Em 1978 fundou a Comedia, uma consultora que avalia o potencial criativo das cidades para responder aos desafios do futuro.

Perante este percurso, #a palestra sobre conectividade num mundo nómada no Portugal Mobi Summit torna-se obrigatória para quem acompanha as tendências e as evoluções que as cidades atravessam ou perspetivam para o futuro.

Aldo Monteforte | Fundador e CEO da The Floow

O poder da telemática concentrado num smartphone
A ciência do algoritmo aliada à psicologia é o trunfo mais eficaz para reduzir os comportamentos de risco entre os automobilistas. E a telemática é o que junta estas duas dimensões para promover a segurança nas estradas. Esse é o caminho que a empresa The Floow, sediada no Reino Unido, tem vindo a fazer desde que foi fundada, em 2012, por Aldo Monteforte. Convencido de que a telemática desempenhará um papel central na redução de acidentes, mortes e feridos graves, Monteforte lidera uma equipa que joga com a física, a matemática, o big data e ciências sociais para encontrar soluções não apenas para seguros, frotas ou desenhos de motores mas sobretudo para eliminar os erros na condução humana. O grande sucesso da empresa é aliás um aplicativo que transforma um simples smartphone numa autêntica caixa negra registando, através de poderosos sensores, os pontos fortes e fracos de cada automobilista.

Haya Douidri | Senior Manager Gouverment Partnership da Bird

A tecnologia ao serviço dos pequenos transportes
Especialista em urbanismo, mobilidade suave e sustentabilidade, Haya Douidri tem se afirmado sobretudo como uma líder em políticas de tecnologia e inovação. Atualmente coordena as equipas da Bird - operadora de trotinetes que chegou a Lisboa em abril - a operarem no sul da Europa, Médio Oriente e África. #O modus operandi da empresa é, aliás, o exemplo mais recente da abordagem que ela defende para as tecnologias de mobilidade. Procurando minimizar o impacto do estacionamento caótico destes veículos, #a operadora deposita boa parte da sua eficácia nos bird watchers (observadores de pássaros) que são quem controla a localização e o estado das trotinetes em tempo real, arrumando os veículos nos respetivos nests (ninhos). Com um mestrado em Políticas de Sustentabilidade pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque, Haya Drouidri já é uma presença habitual nas cimeiras internacionais sobre transportes e políticas de micromobilidade.

Maik Stephan | Diretor executivo do grupo Volkswagen para a mobilidade elétrica

A marcha da neutralidade carbónica está na estrada
As metas climáticas para 2050 só serão cumpridas se saírem já do papel e começarem a ser executadas. Maik Stephan, diretor executivo do grupo Volkswagen para a mobilidade elétrica, irá partilhar com a audiência do Portugal Mobi Summit todo o trabalho que a marca alemã já está a fazer para alcançar a neutralidade carbónica. Não se trata apenas de atingir 40% das vendas em carros elétricos no intervalo de uma década. Essa é uma parte da missão, mas tão importante será também incluir todos os processos de produção nesse objetivo. É um megaplano de eletrificação e digitalização que já está em marcha e Maik Stephan é quem lidera essa estratégia. Produção de veículos sem emissões de dióxido de carbono nas fábricas, reciclagem das baterias para uso doméstico ou lançamento de serviços de mobilidade são as principais apostas da Volkswagen para os próximos anos. Com formação em Economia e especialização em Business Strategy e Business Planning, Maik Stephan dedicou grande parte da sua carreira à marca alemã, ocupando desde 2009 vários cargos executivos na Alemanha, China e Índia.

Giovanna d'Esposito | Diretora-geral da unidade do sudoeste europeu da Uber

Na liderança do novo conceito do transporte privado
Giovanna d"Esposito chegou à Uber - prestadora de serviços de transporte privado - em março como responsável pelo desenvolvimento e crescimento dos negócios em Portugal, Espanha, Itália e Croácia. O seu entusiasmo pelos carros, contudo, é muito mais antigo, remontando à infância quando desmontava motores ao lado do pai. Foi na década de 1970 e ainda na Península de Sorrento, no sul de Itália, que se tornou engenheira mecânica. Nos anos seguintes e, já com uma especialização em administração de empresas, ocupou cargos executivos em multinacionais de jogos online, tanto em Roma como em Londres. Este ano, ao aceitar o desafio para liderar a unidade do sudoeste europeu da Uber, regressou à sua antiga paixão, embora os carros agora não sejam propriamente para desmontar. Servem antes para acelerar no novo paradigma da mobilidade. Essa é a razão que a conduzirá até ao Portugal Mobi Summit onde vai partilhar a sua experiência na multinacional americana, pioneira nas apps de requisição de serviços de transporte.

Marleen Stikker | Fundadora da Waag

Usar as tecnologias para criar cidades mais justas
Marleen Stikker acredita que só vale a pena investir na tecnologia para criar sociedades inclusivas, justas e moldáveis ao progresso social. Essas são as razões por que fundou a Waag Society, uma fundação holandesa que desenvolve e investiga tecnologias abertas e focadas nas necessidades dos cidadãos.

A história do Fairphone resume na perfeição a filosofia desta instituição. Lançada pela Waag, em 2013, esta empresa criou o primeiro smartphone justo do planeta. Significa isto que os aparelhos são fabricados com o mínimo de impacto ambiental numa cadeia de produção que assegura condições justas de trabalho. Ao projetar a longa duração e a fácil reparação dos telemóveis, inverte-se também a lógica do consumo rápido e do desperdício digital.

Este é só um dos muitos casos de sucesso que Marleen Stikker irá levar ao Portugal Mobi Summit. Ao longo de quase três décadas, a fundação que dirige tem envolvido artistas, investigadores e empreendedores na exploração de tecnologias e criação de serviços que contribuem para democratizar o acesso às novas tecnologias.

Carlos Ribas | Administrador técnico da Bosch em Braga e representante do grupo em Portugal

Acreditar na formação para gerar alta tecnologia
Se o papel do investimento público em ciência e inovação é um dos temas em destaque nesta cimeira, então, Carlos Ribas está entre os convidados que mais domina esta matéria. As suas prioridades, enquanto representante da Bosh em Portugal, passam pela aposta permanente em inovação e desenvolvimento de produtos altamente tecnológicos. Esta estratégia só é possível quando se investe na formação contínua dos colaboradores sem nunca perder de vista o respeito pelos valores da sustentabilidade ambiental. Formado em Engenharia Eletrónica e com especialização em Liderança e Gestão Global, Carlos Ribas começou a carreira na Hoechst, indústria química alemã, passou pela Yazaki e está na Bosch desde 2003. Em Braga assumiu a administração da Bosch Car Multimedia e, desde 2010, é também responsável pela fábrica da Bosch em Mondeville, França.

Carlos Moedas | Comissário europeu cessante para a Investigação, Ciência e Inovação

O comissário que quis pôr a inovação no topo da Europa
Ao atribuir, em 2014, a Carlos Moedas a pasta de Investigação, Ciência e Inovação, o agora presidente cessante da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker entregou ao comissário português a gestão do maior programa-quadro de sempre de investigação e inovação da União Europeia. O Horizonte 2020, com um valor de 80 mil milhões de euros, teve a missão de fazer que as ideias inovadoras saíssem dos laboratórios e entrassem nos mercados. Esse foi o ponto de partida para Carlos Moeda definir uma estratégia assente no crescimento económico da UE e de cada Estado membro. É um desafio, em grande parte, dependente da eficácia com que é usado o financiamento para promover os avanços na tecnologia e investigação. Para isso, Carlos Moedas procurou as ferramentas certas para incentivar o setor privado a tirar o melhor partido dos resultados da investigação. Mas o comissário não quer só que o conhecimento científico transborde o tubo de ensaio e chegue às empresas. Quer que as ideias saiam dos gabinetes da Comissão Europeia e cheguem aos grandes palcos e audiências. A sua passagem pelo Portugal Mobi Summit faz, por isso, parte dessa estratégia.

Exclusivos