BCE mantém tudo: bazucas e taxas de juro

Programa pandémico de compra de ativos foi mais do que duplicado em junho, para um total de 1350 mil milhões de euros, e assim ficará, para já

As taxas de juro da zona euro vão permanecer em mínimos históricos e os programas que estão a despejar dinheiro ultrabarato (a custo praticamente 0%, as chamadas bazucas) no sistema bancário e que permitem comprar quantidades enormes de dívida pública, por exemplo, ficam iguais, decidiu o Banco Central Europeu (BCE), esta quinta-feira.

Recorde-se que, no início de junho, o BCE quase que duplicou a sua bazuca especial de combate aos efeitos da pandemia.

A dotação do chamado programa de compra de ativos devido a emergência pandémica (pandemic emergency purchase programme - PEPP) foi aumentada em 600 mil milhões de euros, passando para um total de 1350 mil milhões de euros.

O BCE acredita que "a expansão do PEPP reduzirá ainda mais a restritividade da orientação geral da política monetária, apoiando as condições de financiamento na economia real, especialmente para as empresas e as famílias".

No início de junho o horizonte do programa foi estendido por mais seis meses face ao inicialmente anunciado (a 18 de março). E isso mantém-se igual depois da reunião desta quinta-feira.

Assim, estas compras, que podem ser de dívida pública (aquisições feitas aos bancos comerciais da zona euro), podem ir "no mínimo até ao final de junho de 2021", reitera o BCE.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG