O sucesso da equipa de futsal do Partido Comunista russo

O KPRF Indoor Soccer Clubel foi fundado em 2003, compete na Super Liga da Rússia desde 2011-12, e apurou-se para a final four da Liga dos Campeões de futsal. Três portugueses já passaram pela equipa.

Na ausência de influência política na Rússia de Putin, o Partido Comunista (PC) russo vai comemorando o sucesso da sua equipa de futsal. O KPRF - as iniciais russas do Partido Comunista da Federação Russa - apurou-se para a final four da Liga dos Campeões de futsal. E em abril vai disputar o título europeu juntamente com Barcelona e Murcia, de Espanha, e o também estreante Tyumen, da Rússia.

Fundado em 2003 para jogar com outras equipas da Duma (a câmara baixa do parlamento) acabou a disputar um torneio e vencer. Com o objetivo lúdico de reunir políticos num jogo entre amigos, a equipa não mais parou de crescer. Depois de um período em que competiu como amadora, profissionalizou-se em 2007 e a última década tem sido de sucesso e ascensão. Primeiro venceu a liga de Moscovo, depois foi campeã da segunda divisão (2010-11) e em 2011-12 entrou para a Super Liga da russa de futsal - considerada a melhor liga de futsal do mundo - vestido de vermelho vivo e ostentando a foice e o martelo, imagem de marca do partido.

"Rússia, trabalho, poder popular e socialismo" é o lema do clube, escrito no escudo do emblema.

Na última temporada, o KPRF Indoor Soccer Clubele foi vice-campeão russo e ganhou um lugar na Liga dos Campeões deste ano. Em ano de estreia venceu os seus jogos e apurou-se para a fase final da Liga dos Campeões. A luta pelo troféu europeu acontecerá em abril (em local a definir), juntamente com os espanhóis do Barcelona e do Múrcia (afastou o Benfica) e outro russo, o Tyumen (afastou o Sporting).

A cúpula do clube não esconde a estreita relação com o Partido Comunista. "Identificamo-nos completamente como uma entidade desportiva dentro do partido. O nosso trabalho e progresso são um assunto comum ", defendeu o presidente, Iván Mélnikov, que é filho do político veterano com o mesmo nome e atual vice-presidente do clube e da Duma.

"O meu pai começou tudo. Ele reuniu uma equipa, incluiu-me e ele próprio era o treinador ", explica o principal líder do KPRF Indoor Soccer Club, ciente da sua responsabilidade perante o Partido Comunista. Segundo ele, o clube é outra forma de militância: "O partido ajuda a encontrar fontes de financiamento. São organizações e pessoas que embora não expressem a sua simpatia diretamente pela luta política, apoiam iniciativas que são benéficas para toda a sociedade, como o desporto."

As coisas funcionam como nunca e, aparentemente, as duas entidades (clube e partido) vivem em perfeita sintonia. "Não usamos as reuniões como uma ferramenta de propaganda, mas a equipa reforça a reputação do Partido Comunista. Ousamos ter essa tarefa, ela coexiste em harmonia com os apuramentos desportivos ", disse Iván Mélnikov, que garante que o KPRF é uma oportunidade para se distraírem de coisas sérias da vida.

Segundo contou ao El País, o espanhol Angel Velasco, Lin, 36 anos e 127 vezes internacional, que é um dos quatro estrangeiros da equipa, "ninguém do clube ou do Partido Comunista os tenta usar para outra coisa que não seja o desporto". A equipa treina em Réutov, uma cidade a leste de Moscovo, e joga em Klymovsk, a cerca de 55 quilómetros a sul da capital, perante cerca de 1500 espectadores. Ocupam atualmente a terceira posição no campeonato, sete pontos atrás do líder (Yugra), embora com três jogos a menos.

Os portugueses João Leite (2012-13), Paulinho Rocha (2011-13) e Joel Queirós (2016-17) já jogaram no clube do Partido Comunista russo.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG