Mourinho e o reencontro com o Chelsea: "Especial não, mas posso ir a pé para casa"

Treinador português do Tottenham reencontra neste sábado a sua antiga equipa e lamenta estar privado dos seus dois avançados até ao final da época. "Se terminarmos o campeonato nos quatro primeiros será extraordinário", disse.

José Mourinho defronta este sábado (12.30) o Chelsea em Stamford Bridge, num jogo que marcará o reencontro do técnico português com a equipa que orientou por duas vezes em Inglaterra e que atualmente é treinada por Frank Lampard, seu antigo jogador nos blues. Mas para Mourinho, a partida entre o Tottenham e o Chelsea nada tem de especial, a não ser um pequeno pormenor.

"Não, não é nada especial. É apenas mais um jogo, porque eu sou profissional e porque sempre disse que quando defronto os meus anteriores clubes pertenço a 200% ao clube que represento. A única diferença é que no final do jogo posso ir a pé do estádio para casa. Mas na realidade nem isso vai acontecer, porque quero regressar junto dos meus jogadores", referiu.

"Rever o Frank Lampard é sempre agradável, seja na rua, num restaurante ou num corredor, é sempre bom. Mas não é especial defrontar o Chelsea", reforçou o técnico português.

Mourinho aproveitou a conferência de imprensa para lamentar as lesões dos seus dois avançados, que estão lesionados e não jogam mais nesta época. Um duro revés que mereceu o seguinte comentário da parte do treinador. "O Tottenham sem o Harry Kane e o Son não ganha um jogo desde 2014. Isto diz tudo. Isto significa que o Harry e o Son marcam a grande maioria dos golos do Tottenham. Esta época está a ser tão atípica e negativa que vamos estar sem ambos durante muito tempo", lamentou.

Devido a estas contrariedades, a juntar a outras lesões de jogadores com que teve de lidar esta temporada, José Mourinho não tem dúvidas sobre o que será um bom desempenho da sua equipa na Premier League: "Se conseguirmos terminar o campeonato nos quatro primeiros classificados será algo incrível, será extraordinário para os jogadores. Por isso temos de dar tudo."

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG