Madjer despede-se da seleção "com imenso orgulho"

Campeã do mundo pela terceira vez, a seleção de futebol de praia vai ser recebida esta tarde pelo Presidente da República.

Portugal ter conquistado pela terceira vez o campeonato do mundo da modalidade, no Paraguai, ao derrotar Itália por 6-4.De sorrisos no rosto e com o troféu de campeã do mundo, os jogadores da seleção de futebol de praia chegaram na manhã de terça-feira a Portugal. Madjer manifestou "um imenso orgulho" depois de Portugal ter conquistado pela terceira vez o campeonato do mundo da modalidade, no Paraguai, ao derrotar Itália por 6-4.

"Sabíamos as adversidades que íamos enfrentar, mas a verdade é que nos preparamos bem", afirmou Madjer, de 42 anos, aos jornalistas à chegada da comitiva portuguesa ao aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

A final com a Itália foi último jogo de Madjer. O jogador despediu-se da seleção com mais este troféu e espera que este triunfo "traga mais visibilidade à modalidade". "Que continuem este caminho, comigo agora do lado de fora a acompanhar", afirmou Madjer orgulhoso por ter feito "parte desta linda história", assegurando que vai continuar ligado ao futebol de praia.

Só este ano, Portugal foi campeão da Europa, conquistou a medalha de ouro nos II Jogos Olímpicos, o Mundialito na China e agora o campeonato do mundo pela terceira vez, depois das edições de 2001 e 2015.

"Saio daqui completamente realizado"

Com o troféu de campeões do mundo e o de segundo melhor jogador da competição, a seleção posou para as fotografias, as primeiras de um dia em que irão ser recebidos pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa durante a tarde.

Jordan Santos, que este ano foi eleito o melhor do mundo da modalidade, recebeu o troféu de segundo melhor jogador na prova. : "Este prémio tem um significado muito grande, como sabem parti para este mundial como melhor jogador do mundo e depois ter sido campeão do mundo e ter trazido este prémio é gratificante. Saio daqui completamente realizado", afirmou. "Acho que este ano vai ser difícil bater", admite Jordan.

O selecionador Mário Narciso agradeceu o título aos jogadores, pelo "comportamento que tiveram tanto no aspeto técnico e tático como no aspeto disciplinar". "Conseguiram estar numa prova destas com tantos jogos sem terem um único castigo", realçou. O treinador deu ainda uma palavra de agradecimento à Federação Portuguesa de Futebol, a todo o staff "pelo empenho", aos elementos da equipa médica "que foram importantíssimos para a recuperação dos jogadores".

"A grande arma para ganhar este mundial foi a forma como defendemos"

"E um agradecimento muito especial, à minha família e obrigado a todos os portugueses", disse ainda Mário Narciso, ainda de bigode, mas será sem ele que vai ser recebido por Marcelo Rebelo de Sousa. O selecionador prometeu cortar o bigode caso a seleção conquistasse o título de campeã do mundo. E vai cumprir. "É agora na cidade do futebol e logo quando formos ao Palácio ter com o presidente Marcelo, à partida, vou já sem bigode", disse, entre risos.

"Quando começou o jogo com a Itália, senti que íamos ganhar. A grande arma para ganhar este Mundial foi a forma como defendemos. Até começámos a perder, mas pela forma como estávamos a jogar, a defender assim, no final do primeiro período já pensava que íamos ganhar", afirmou o selecionador.

Mário Narciso não tem dúvidas sobre qual foi o segredo para mais esta conquista da seleção nacional. "É a qualidade dos jogadores", diz. "Foi uma árdua tarefa chegar até aqui", concluiu.

Atualizado às 11:20

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...