Fim da guerra dos sexos no surf: homens e mulheres vão ter prémios iguais

Medida será aplicada em todos os eventos já a partir da próxima época desportiva

A Liga Mundial de Surf será a primeira competição norte-americana com prémios iguais para as competições masculinas e feminina, já a partir da próxima época.

"O prémio em dinheiro é ótimo, mas a mensagem tem maior significado. Eu espero que isto sirva de exemplo para outros desportos, organizações mundiais e até mesmo a sociedade", disse Steph Gilmore, que considerou que esta decisão foi um voto de confiança para o escalão feminino. "As minhas colegas atletas e eu estamos honradas pela confiança que nos foi transmitida, e estamos inspiradas para recompensar esta decisão com os mais elevados níveis de surf", acrescentou.

Por outro lado, Kelly Slater, que foi 11 vezes campeão mundial na categoria masculina, considerou que esta medida irá desencadear um procedente poderoso e desafiar as regras da modalidade.

"As mulheres que participam na digressão merecem esta oportunidade. As atletas femininas da WSL estão comprometidas com a sua carreira tal como os atletas masculinos, e elas deviam ser pagas do mesmo modo", disse a lenda do surf.

A igualdade nos prémios monetários será atribuída pela Liga Mundial de Surf nos campeonatos e nas competições de longboard, júnior e big wave na próxima época desportiva, bem como em outros eventos da série de qualificação.

"Vamos trabalhar com os nossos parceiros nas competições onde não controlamos o prémio em dinheiro, como alguns eventos das séries de qualificação, para alcançar a igualdade", afirmou o comissário da Liga Mundial de Surf Kieren Perrow.

Na próxima época está previsto o regresso de alguns dos melhores surfistas a Margaret River, no sudoeste da Austrália. Em meados de abril foi cancelado um torneio no mesmo local na sequência de ataques de tubarões, tendo este sido reagendado para finais de maio e princípios de junho, de modo a otimizar o calendário da digressão.

"Alterámos as datas do evento em Margaret River no final do ano para melhorar o ritmo da temporada e garantir as melhores condições de classe mundial em todos intervalos", disse Perrow.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.