Neymar estará a suplicar para voltar ao Barcelona

De acordo com o jornal espanhol El Mundo, o pai da estrela do Paris Saint-Germain já telefonou cinco vezes para dirigentes do Barça nos últimos meses.

Neymar está desesperado para deixar o Paris Saint-Germain e pretende regressar ao Barcelona, de onde saiu no verão de 2017, numa transferência recorde de 220 milhões de euros, que na altura era o valor da cláusula de rescisão do contrato do jogador com o clube catalão.

A notícia foi adiantada esta sexta-feira pelo jornal espanhol El Mundo , garantindo que o pai e representante do internacional brasileiro já ligou cinco vezes nos últimos meses a dirigentes do Barcelona, entre os quais o presidente Josep Maria Bartomeu.

Os primeiros contactos foram realizados no final da época passada e prosseguiram até aos últimos dias, sendo que o pai de Neymar deixou claro nesses telefonemas que "foi um equívoco ir para o PSG", que também criticou "a ausência de projeto desportivo" do clube francês.

O contrato de Neymar com os parisienses é válido até 2022, sendo o jogador um dos mais bem pagos do mundo, auferido um valor a rondar os 40 milhões de euros líquidos por temporada, um montante semelhante ao que recebe Lionel Messi, a principal estrela do Barcelona.

Os responsáveis do Barcelona já avisaram, no entanto, o pai de Neymar: uma condição essencial para começarem as negociações para o regresso é abdicar da exigência de que o clube lhe pague uma verba milionária relativa à sua primeira renovação de contrato, no valor de 63 milhões de euros, verba da qual Neymar já recebeu metade. No entanto, essa é uma premissa que não é aceite por Neymar, o que inviabiliza para já o possível regresso do jogador ao Barça, clube que representou durante quatro épocas.

Entretanto, o próprio pai de Neymar fez uma publicação na sua conta de Instagram na qual garante que esta notícia do El Mundo é uma "notícia falsa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.