Louis van Gaal foi oferecido ao Benfica

Um emissário apresentou ao presidente Luís Filipe Vieira a disponibilidade de o treinador holandês, que vive atualmente no Algarve, para suceder a Rui Vitória

Luís Filipe Vieira anunciou esta segunda-feira que o nome do próximo treinador do Benfica será conhecido apenas na próxima semana, mas ao que o DN apurou são vários os técnicos que se têm mostrado disponíveis para assumir o cargo e um deles é precisamente o holandês Louis van Gaal.

Segundo fonte bem colocada no processo, um emissário colocou em cima da mesa do presidente do Benfica o antigo treinador de Ajax, Barcelona, Bayern Munique e Manchester United, garantindo que ele estaria interessado em assumir o comando técnico dos encarnados.

Van Gaal, de 67 anos, deixou o United no final da época 2015/16 após falhar o apuramento para a Liga dos Campeões e desde então tem estado sem treinar, tendo deixado o futebol desiludido por não ter podido cumprir o seu contrato com os red devils.

O técnico holandês está a viver no Algarve, onde tinha planeado viver a sua reforma do futebol. No entanto, a perspetiva de poder voltar a treinar num clube como o Benfica poderia alterar-lhe os planos e assumir um último projeto na sua carreira recheada de títulos.

O holandês tem no currículo uma Liga dos Campeões, uma Taça UEFA, três títulos de campeão holandês, três supertaças holandesas, uma Taça da Holanda, uma Supertaça europeia e uma Taça Intercontinental pelo Ajax. Mudou-se depois para o Barcelona, onde conquistou duas ligas espanholas, uma Taça do Rei e uma Supertaça europeia.

Regressou depois à Holanda para conquistar o título pelo AZ Alkmaar, tendo depois sido contratado pelo Bayern Munique onde venceu campeonato, taça e supertaça da Alemanha. Finalmente, no Manchester United ganhou apenas uma Taça de Inglaterra. Pelo meio teve duas passagens pela seleção holandesa, tendo na última alcançado um terceiro lugar no Mundial 2014, disputado no Brasil.

Além de Van Gaal, foram ainda sugeridos a Vieira o italiano Roberto Donadoni, que já foi selecionador italiano e treinador do Nápoles; o escocês David Moyes, que já representou Everton, Manchester United e deixou o West Ham no final da época passada; e ainda o espanhol Fran Escribá, antigo adjunto de Quique Flores no Benfica, que em 2016/17 orientou o Villarreal.

Nos próximos dias, Luís Filipe Vieira vai poderar todos as possibilidades que tem entre mãos, mas para já vai manter o técnico interino Bruno Lage no jogo da próxima sexta-feira, em São Miguel, com o Santa Clara, a contar para a 17.ª jornada da Liga.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.