Escreveu carta ao árbitro que o expulsou. E ele já respondeu

Tiago Tavares é um jogador dos sub-11 do Samora Correia e recebeu a resposta de Ricardo Ramos, o juiz da partida

Tiago Tavares tem apenas 11 anos, é jogador de futebol da equipa de Sub-11 no Grupo Desportivo Samora Correia, mas demonstrou ter mais fair play do que muitos futebolistas profissionais. Depois de ter sido expulso na última partida - e por isso falhado o jogo deste sábado - decidiu pedir desculpas, através de uma carta, a Ricardo Ramos, o árbitro do jogo. E o juiz respondeu-lhe, através de um post no Facebook. "Reconhecer os erros é uma atitude de humildade e de um Vencedor", escreveu.

Ao Diário de Notícias, Ricardo Ramos disse que já recebeu "muitos pedidos de desculpas", mas que "por este meio [por carta] foi a primeira vez" e remeteu a sua resposta para o um comentário no post do Facebook do Grupo Desportivo Samora Correia.

A carta de Tiago foi divulgada nas redes sociais pelo Grupo Desportivo Samora Correia e pela Associação de Futebol de Santarém, que elogiaram bom exemplo dado pelo jovem. Um exemplo que galgou fronteiras, ganhando destaque em sites internacionais como o do jornal espanhol AS. Não foram os únicos. Mas foi a resposta do árbitro (que já conta com 1000 likes), que terá deixado o jovem atleta mais satisfeito.

"Boa noite Tiago Tavares, é com enorme satisfação que estou a ler as tuas palavras e que considero que saber reconhecer os erros é uma atitude de humildade e de um Vencedor. Aceito as tuas desculpas como te desejo as maiores felicidade na tua vida. Saliento e louvo a atitude do Grupo Desportivo Samora Correia. Saudações Desportivas", escreveu Ricardo Ramos.

E o pequeno Tiago também respondeu ao árbitro e às centenas de pessoas que o têm elogiado pela atitude.

"Obrigado a todos eu não mereço tanto eu fiz mal e merecia ser ainda mais castigado o que eu fiz não tem quaisquer tipos de perdão imaginável só posso tentar pelo menos 'despiorar' as coisas", escreveu o jovem futebolista.

A carta de Tiago foi divulgada nas redes sociais pelo Grupo Desportivo Samora Correia e pela Associação de Futebol de Santarém, que elogiaram bom exemplo dado pelo jovem. Um exemplo que galgou fronteiras, ganhando destaque em sites internacionais como o do jornal espanhol AS.

"O Tiago, na semana passada, teve uma atitude menos própria para o árbitro da partida de sub-11 da Associação de Futebol de Santarém em que participou tendo acabado expulso. O Tiago irá ver os colegas do lado de fora amanhã. Um castigo já por si grande. Mas o Tiago achou que deveria fazer mais", escreveu o clube, na sexta-feira, no Facebook, divulgando o teor da carta.

"Estimado árbitro, sou o número 64 do GDSC (Grupo Desportivo Samora Correia) e o meu nome é Tiago Tavares, da equipa de sub-11. Escrevo-lhe esta carta para pedir perdão pela minha atitude no dia 7 de abril de 2019", começa por escrever o jovem atleta, que assume a frustração por não poder ajudar os colegas no jogo deste sábado.

"Sei que lamentar-me e pedir perdão não anula a suspensão, mas é bom saber reconhecer os nossos erros. Tentei alterar as coisas que fiz mal, não consigo fazer com que a minha equipa possa contar comigo no dia 13 de abril, não consigo apagar as marcas de desilusão dos misters, dos meus colegas, dos familiares e até de si. Mas posso fazer uma coisa: pedir-lhe desculpa e mostrar que estou seriamente arrependido. O senhor estava certo e eu lamento que isto tenha acontecido", finalizou Tiago.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.