Corpo de Emiliano Sala já chegou à Argentina

Os restos mortais chegaram esta sexta-feira à Argentina, onde será realizado no sábado o funeral do futebolista, quase quatro semanas após a queda do avião em que viajava no Canal da Mancha.

O corpo foi transportado pela companhia British Airways e aterrou por volta das 09.00 locais (12.00 em Lisboa) no aeroporto de Ezeiza, perto de Buenos Aires, de onde seguirá por via terrestre até Santa Fe, capital da província homónima, e ali permanecerá junto dos seus familiares durante esta sexta-feira.

O caixão que transporta Sala será transportado na manhã de sábado para Progreso, localidade pertencente à mesma região, onde o futebolista residiu desde os quatro anos e começou a jogar futebol pelo clube local, no qual permaneceu até aos 16, antes de dar o salto para o Proyecto Crecer, na vizinha província de Córdoba.

"Este é um dia tristemente histórico para o Progreso. Nunca teríamos imaginado isto e ainda estamos em choque", lamentou Daniel Ribero, presidente do Club San Martín de San Progreso, cujas instalações irão acolher as cerimónias fúnebres do avançado.

Além de amigos e familiares, em Progreso são esperados representantes do clube francês Nantes e o próprio treinador do Cardiff, o inglês Neil Warnock, acompanhado pelo diretor-executivo do emblema galês, o malaio Ken Choo, tendo ambos viajado esta sexta-feira no mesmo avião que transportava o corpo do futebolista argentino.

Sala, de 28 anos, transferiu-se dos franceses do Nantes, a troco de 17 milhões de euros, para os ingleses do Cardiff, mas o avião em que viajava, pilotado por David Ibobotson, desapareceu no passado dia 21 de janeiro quando sobrevoava o Canal da Mancha.

O corpo do avançado argentino foi recuperado e identificado a semana passada no interior do avião sinistrado, tendo as autoridades britânicas dado luz verde para que os restos mortais fossem entregues à família na Argentina.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.