Bruno de Carvalho: "Não houve qualquer ato de expulsão"

Dirigente não desarma e continua a considerar-se presidente. "É lógico", afirma.

Bruno de Carvalho já reagiu às declarações de Artur Torres Pereira, presidente da Comissão de Gestão do Sporting, que acusou o ex-presidente de mentir e de não ter qualquer documento que lhe devolva o cargo.

"No registo comercial do Sporting pode verificar-se no que a 13 de agosto foi registada a impugnação da deliberação da Assembleia Geral de dia 23 e foi feita mediante despacho judicial. Significa que desde dia 1 de agosto os agentes ou as gentes de Marta Soares não podem ignorar que todos os atos são nulos ou inexistentes, por práticas contra a letra expressa da lei. Solicitou-se ao comissário da policia que identificasse as pessoas em causa. Não houve nem poderia haver qualquer ato de expulsão, fomos nós que pedimos a presença da polícia na véspera e que pedimos que identificassem as pessoas que pedimos para identificar quem nos impedia de retomar o trabalho. É lógico que ainda sou presidente do clube e da SAD", disse Bruno de Carvalho que depois visou diretamente Torres Pereira.

"Aquela exibição deplorável de mentira primária é um insulto à inteligência do homem médio"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".