Al-Nassr quer juntar Jonas a Rui Vitória

Clube saudita apresentou proposta financeiramente muito vantajosa ao avançado brasileiro do Benfica, depois de o ter tentado levar no verão

O Al-Nassr, segundo classificado da liga da Arábia Saudita a três pontos do Al Hilal de Jorge Jesus, está na disposição de juntar Jonas e Rui Vitória.

Um dia depois de o DN ter noticiado que o ex-treinador do Benfica assinou contrato por uma época e meia com o clube atualmente treinado por Hélder Cristóvão e que começa já em janeiro a trabalhar no novo clube, o nosso jornal apurou que o clube árabe está a insistir na contratação do avançado brasileiro dos encarnados, desconhecendo-se a transferência teria efeitos imediatos ou se se concretizaria apenas no final da época.

Depois de ter tentado o internacional canarinho de 34 anos no verão antes de o jogador renovar até 2020, o Al-Nassr voltou à carga, apresentando uma proposta financeiramente muito vantajosa.

Na quinta época de águia ao peito, Jonas apontou nove golos em 15 jogos, depois de um início de temporada marcado por problemas físicos.

Sediado em Riade, o Al-Nassr foi fundado em 1955 pelos irmãos Husein e Zeid Al-Ja'ba, que foram também os primeiros trabalhadores do clube que só em 1960 se profissionalizou. É o segundo clube saudita com mais títulos de campeão (oito), depois do Al-Ittihad. Têm ainda seis Taças do Rei e três Taças do Príncipe, sendo atualmente presidido precisamente pelo príncipe Faisal Bin Turki Al-Saud.

Tem ainda no seu historial uma presença na final na Champions da Asia, em 1995, tendo perdido, por 1-0, com o Seongnam, no Estádio Internacional Rei Fahd, e uma presença no Mundial de Clubes da FIFA em 2000, tendo jogado e perdido com o Real Madrid (3-1). Apesar da derrota com os merengues, o Al-Nassr ganhou o prémio fair play da competição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?