Furacão Hagibis cancela o Inglaterra-França

O encontro decisivo entre ingleses e franceses no Mundial de Râguebi, que iria ser realizado sábado, em Yokohama, vai ser cancelado pelo temor da World Rugby pelas consequências da que se teme vir a ser a violenta passagem do super furacão pelo Japão.

Pela primeira vez nos 32 anos de história do Mundial de râguebi, irá ser cancelado um jogo - até aqui, e em princípio, será apenas um... - segundo informações recolhidas pelo jornal britânico Daily Mail, que antecipa a decisão de não realizar a partida entre Inglaterra e França, referente ao grupo C da fase inicial da prova que iria disputar-se em Yokohama no sábado, devido à passagem do furacão Hagibis.

Segundo aquele jornal britânicoa resolução já terá sido tomada pela World Rugby (WR), a federação mundial que superintende a organização da prova que decorre entre 20 de setembro e 2 de novembro no Japão. A WR agendou uma conferência de imprensa com início às 4.00 horas (em Portugal continental) desta quinta-feira, onde irá ser comunicada a informação oficial.

Assim que foi conhecida o país organizador desta nona edição da Taça do Mundo, que pela primeira vez decorre na Ásia, temeu-se pela ocorrência de fenómenos climatéricos extremos, em especial neste período do ano que coincide com o período crítico para tsunamis, sismos, tufões e furacões na região.

O super furacão Hagibis, que trará ventos da ordem dos 270 km por hora, atingirá o Japão no sábado, dia em que estão previstos três encontros - para lá do Inglaterra-França, o Nova Zelândia-Itália (grupo C) e o Irlanda-Samoa (grupo A). Para domingo está prevista a realização dos derradeiros quatro jogos da fase de grupos, com especial destaque para o crucial embate entre Japão e Escócia, decisivo para fechar as contas do grupo A, no qual estas seleções lutam juntamente com a equipa irlandesa pelas duas posições cimeiras que apuram para os quartos-de-final.

De acordo com o jornal, a decisão será de cancelar o jogo e registar um empate 0-0 como resultado final, pelo que as duas seleções somarão dois pontos cada.

A partida entre os dois arquirrivais das Seis Nações iria decorrer no estádio de Yokohama (onde será realizada a final a 2 de novembro), que não dispõe de teto amovível - ao contrário do que acontece com outros estádios que são palco de jogos da prova - e caso se confirme o seu cancelamento, isso significa que Inglaterra será primeira no grupo C com 17 pontos, seguida da França, com 15, progredindo ambas para os quartos-de-final, com os ingleses a defrontarem a Austrália enquanto os franceses irão bater-se com o País de Gales.

Ainda se colocou a hipótese do encontro ser transferido para Oita, estádio com teto que poderá ser fechado - como aliás tem acontecido nos jogos ali já realizados neste Mundial nomeadamente no País de Gales-Fiji desta quarta-feira - mas a organização considerou que essa alteração seria impossível em termos logísticos.

"Estamos a monitorizar o desenvolvimento e as mudanças de trajetória do furacão que entrará pela costa sul japonesa, juntamente com os especialistas meteorológicos e ainda é muito cedo para determinar qual o seu verdadeiro impacto na prova", pode ler-se numa declaração da World Rugby publicada há poucas horas.

Contudo, tudo indica que o Hagibis irá mesmo ter grande influência no desenvolvimento do Mundial que até aqui estava a decorrer sem quaisquer problemas, afetando a habitual organização japonesa: planeada, eficaz, metódica e exemplar. Mas não à prova de super furacões.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.