Festa do novo campeão teve golaços, olés e momentos tiki-taka

FC Porto goleou a equipa de Moreira de Cónegos, no Dragão, na 33.ª e penúltima jornada da I Liga (6-1). Carlos Xistra despediu-se da arbitragem em lágrimas.

Uma festa sem palmas das bancadas, mas com guarda de honra ao novo campeão nacional. O Moreirense fez um corredor para receber o FC Porto - até o árbitro Carlos Xistra foi aplaudido no último jogo da carreira - e acabou vergado. O triunfo portista por 6-1, na 33.ª jornada da I Liga, teve algums momentos de brilhantismo.

No final faltou o carinho dos adeptos nos festejos, mas não faltaram os habituais cabelos e caras pintadas de azul e branco e as bandeiras dos respetivos países. Chamados um a um ao relvado, os jogadores - à exceção de Nakajima- receberam as medalhas de campeão nacional com as devidas distâncias. Afinal eles ficarão na história como os campeões da era covid-19. E talvez por isso a enorme tarja presente nas bancadas com a seguinte mensagem: "Vencemos como sempre, campeões como nunca."

A cerimónia terminou com a entrega de mais um troféu para o Museu do FC Porto. Danilo levantou a taça e deu o mote para a festa intimista no relvado do Estádio do Dragão. De mão em mão e com Pinto da Costa a ver na tribuna VIP, o troféu posou depois para a fotografia e recebeu banhos de champanhe e cerveja... até ir parar às bancadas. Sem ninguém para ocupar as cadeiras, o plantel subiu depois a uma bancada para fazer de adepto e participar na festa.

O golo a abrir, o susto, o golaço e o momento tiki-taka

Depois do triunfo sobre o Sporting, que valeu o título nacional aos dragões, Sérgio Conceição manteve a aposta na formação, deu minutos a alguns dos mais jovens campeões e fez entrar em campo um onze com Diego Costa na baliza, Diogo Leite na defesa e Fábio Vieira no meio campo. Do lado do Moreirense, Ricardo Soares fez uma autêntica revolução no onze, com oito mexidas, incluindo na baliza, com Pasinato de regresso.

O novo campeão puxou dos galões logo ao terceiro minuto de jogo. Para não variar do resto da época, um cruzamento de Alex Telles encontrou a cabeça de Luis Díaz, que perante Pasinato cabeceou para o primeiro golo da partida. Foi o golo mais rápido da época para os dragões e ouviu-se o bruah das bancadas no som ambiente recriado pelo holofotes do estádio. Em certos momentos até se ouviram olés!

O golo portista abriu o jogo e não intimidou o Moreirense. O convidado apresentou-se no Dragão com vontade de estragar a festa e aos 19 minutos chegou ao empate com uma bela jogada, que terminou com um golo de Fábio Abreu (o 13.º da época), que soube explorar o mau posicionamento de Diogo Leite. O avançado dos cónegos já tinha marcado ao FC Porto na primeira volta do campeonato. O empate era revelador das dificuldades portistas em desconcentrar o eixo defensivo da equipa de Ricardo Soares. Marega e Corona conseguiram-no, mas não passaram por Pasinato e por isso o jogo foi para intervalo empatado.

A segunda parte trouxe um FC Porto tão determinado e atrevido como o início do primeiro tempo, mas mais eficaz. Não demorou muito até os portistas chegarem novamente à vantagem. Primeiro por Otávio e depois por Alex Telles de grande penalidade. Dois golos em cinco minutos lançaram os dragões rumo ao sexto triunfo seguido e com carimbo de Marega. O avançado já tinha tentado colocar o nome na lista dos marcadores por duas vezes e à terceira bateu mesmo Pasinato. Um golaço de livre do maliano que arrancou Sérgio Conceição do banco para festejar.

A festa do novo campeão ainda se faria com mais dois golos de Soares. Um deles a finalizar um momento tiki-taka. Uma espetacular troca de bola perfeita entre Luis Díaz, Otávio e Soares terminou com a bola no fundo da baliza do Moreirense, que foi completamente anulado pelo novo campeão no segundo tempo. O avançado brasileiro ainda faria o segundo da conta pessoal em mais uma excelente jogada de Luis Díaz, o melhor em campo.

O jogo ficou ainda marcado por mais uma estreia promovida pelo técnico portista. Mouhamed Mbaye, guarda-redes senegalês de 22 é o 27.º campeão nacional do 29.º título da história dos dragões.

O FC Porto alcançou assim a maior vitória (6-1) da história frente ao Moreirense em 24 encontros e a mais volumosa da época depois dos 5-0 ao Belenenses SAD e ao Coimbrões (Taça de Portugal). Com este triunfo, a equipa portista reforça ainda mais a liderança, chegando aos 82 pontos, mais 11 do que o Benfica, que na terça-feira joga em casa do já despromovido Desp. Aves, enquanto o Moreirense mantém o oitavo posto, com 43 pontos.

Veja os golos da goleada portista

6-1 Soares (FC Porto)

5-1 Soares (FC Porto)

4-1 Marega (FC Porto)

3-1 Alex Telles (FC Porto)

2-1 Otávio(FC Porto)

1-1 Fábio Abreu (Moreirense)

1-0 Luis Díaz

Ficha de jogo

Jogo disputado no Estádio do Dragão, no Porto

FC Porto - Moreirense, 6-1

Marcadores: 1-0, Luis Diáz, 4 minutos; 1-1, Fábio Abreu, 20'; 2-1, Otávio, 51'; 3-1, Alex Telles, 56'(gp); 4-1, Marega, 61'; 5-1, Soares, 79'; 6-1, Soares, 87'

Equipas:

FC Porto: Diogo Costa (Mbaye, 75'), Manafá, Mbemba, Diogo Leite, Alex Telles, Danilo Pereira (Loum, 76'), Otávio, Fábio Vieira (Uribe, 38'), Corona (Vítor Ferreira, 76'), Luis Díaz e Marega (Soares, 64')

Treinador: Sérgio Conceição

Moreirense: Mateus Pasinato, João Aurélio, Rosic, Halliche, Abdu Conte (D'Alberto, 69'), Sori Mané (Gabrielzinho, 61'), Filipe Soares, Alex Soares (Ibrahima, 74'), Luther Singh (Luís Machado, 69'), Pedro Nuno (Nuno Santos, 60') e Fábio Abreu

Treinador: Ricardo Soares

Árbitro: Carlos Xistra (AF Castelo Branco)

Ação disciplinar: cartão amarelo para Marega (32) e Mateus Pasinato (53)

Assistência: Jogo realizado à porta fechada devido a pandemia de covid-19

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG