Diretor-geral do Benfica: "Para haver campeão, terá de haver jogos"

Tiago Pinto assumiu a vontade dos encarnados em voltarem a competir, mas apenas "num contexto de segurança para todos". E, nesse sentido, frisou que a equipa profissional está preparada para voltar aos treinos em maio.

Tiago Pinto, diretor-geral do futebol do Benfica, manifestou este sábado confiança de que a competição em Portugal vai ser retomada, salientando, contudo, que serão as autoridades governamentais a "ditar a velocidade" do processo, face à pandemia de covid-19.

Em entrevista à BTV, Tiago Pinto referiu que o regresso do futebol, parado desde 12 de março, será "feito de forma diferente" do habitual, inclusive com "jogos à porta fechada" e com as equipas a retomarem o trabalho "com muitas limitações e com treinos individuais".

"Neste momento, o foco é conseguirmos treinar em maio, com algumas limitações, e voltarmos a competir em junho. São as indicações que temos da Liga [de clubes]. Depois, teremos até final de julho e início de agosto para concluir as competições", afirmou.

O dirigente salientou a vontade do Benfica em "voltar a competir e concluir as 10 jornadas que faltam da I Liga e a final da Taça", mas apenas num contexto de "segurança para todos" e "sempre numa situação altamente protegida e controlada, em que os testes serão uma prática constante e o isolamento das equipas, em contexto de estágio, será uma obrigatoriedade".

"O futebol quer muito voltar a jogar, mas não voltará a jogar se isso não for bom para o futebol e para a sociedade. Não é tempo para pensarmos em futebol, mas sim na saúde. Quem vai ditar a velocidade a que o futebol vai regressar são as entidades da saúde e as altas instâncias governamentais", vincou Tiago Pinto, que disse desconhecer um eventual plano para isolar as equipas no Algarve para concluir a competição.

A maioria dos campeonatos europeus, à exceção da Bielorrússia, encontram-se suspensos há um mês, devido à crise mundial de saúde pública provocada pelo novo coronavírus, sendo que, neste período, tanto a "Federação Portuguesa de Futebol, como a Liga têm potenciado muito a união e coesão entre os clubes", observou Tiago Pinto.

Quanto ao hipotético cenário de a presente edição da I Liga não ser concluída, o dirigente foi perentório: "Os campeões encontram-se dentro de campo, nos jogos. Para haver campeão, terá de haver jogos e é nisso que estamos focados. Se, por infortúnio, outros cenários se colocarem, cá estaremos para os avaliar."

O diretor-geral para o futebol do Benfica afirmou hoje que "nada será igual depois da covid-19", exceto "a necessidade" de o clube "ganhar sempre", razão pela qual tem de se manter "preparado" durante este interregno da competição.

"Tenho ouvido dizer que nada será igual depois da covid-19, mas eu acrescento que nada será igual depois da covid-19, exceto a necessidade de o Benfica ganhar sempre. Portanto, temos de ter a estrutura e a equipa ligadas, para, quando chegar a hora de competir, estarmos a 100%", disse.

Praticamente um mês depois do início do isolamento, o Benfica anunciou, na quarta-feira, que os atletas iriam iniciar um periodo de férias, depois de se concluir que "o estado emocional dos jogadores estava alterado", justificou na altura o clube da Luz. "Um jogador está habituado a ter 30 dias seguidos sem folgas, sempre em atividade. Não está habituado a estar 30 dias em casa, sem treinar, sem tocar na relva e estar com os colegas. Gostam de competir de quatro em quatro dias e, agora, estão limitados há mais de um mês", explicou Tiago Pinto.

Mesmo durante este periodo de isolamento, Tiago Pinto salientou que o treinador Bruno Lage "não dá descanso a ninguém" e que este tempo tem sido dedicado a "muita análise de jogo e treino, e antecipando o que vem aí".

Por outro lado, o diretor-geral das águias assumiu que "os próximos mercados de transferências vão ser influenciados pelo que está a acontecer", uma vez que é visível "o impacto que o covid-19 está a ter na economia", e deixou a garantia de que "depois do vírus, a política de aposta na formação não vai mudar".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG