Coronavírus. Dirigente do Comité Olímpico admite cancelamento dos Jogos

Dick Pound admite que possam ser tomadas medidas drásticas se o coronavírus se descontrolar. Adiamento está fora de questão.

A 153 dias para a cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio, adensam-se as dúvidas sobre a realização daquele que é considerado o maior evento desportivo do mundo. Em entrevista à agência Associated Press (AP), Dick Pound, o mais antigo membro da direção do Comité Olímpico Internacional (COI), admitiu que existe uma possibilidade de os Jogos não se realizarem.

"Estaremos provavelmente na iminência de um cancelamento dos Jogos se em maio o coronavírus estiver incontrolável. Esta é uma nova guerra que temos de enfrentar. No espaço de três meses vamos ter de questionar se existem condições suficientes de confiança para as pessoas viajarem para Tóquio", explicou, assumindo que a decisão terá de ser tomada até dois meses antes do início dos Jogos Olímpicos, pois é nessa altura que toda a organização do evento começa a ser preparada.

O canadiano Dick Pound, que está no cargo desde 1978, admite que, nesta altura, há condições para o evento se realizar, mas deixou a garantia de que o COI irá tomar medidas se a situação se agravar. "Neste momento, as indicações que temos é que os Jogos vão realizar-se, mas não vamos mandar ninguém para uma pandemia", frisou.

No pior cenário, este dirigente do COI garante que a única solução possível é o cancelamento. "Mudar os Jogos de país é complicado, afinal existem poucos lugares no mundo que poderiam acolher os eventos desportivos num curto espaço de tempo. O adiamento também não é possível à escala de uma organização como esta. Estão em causa muitos países, diferentes épocas competitivas, direitos de televisão. Não podemos simplesmente dizer, bom, vamos fazê-los em outubro".

Apesar do otimismo de Dick Pound em que os Jogos Olímpicos de Tóquio se vão realizar, a verdade é que paira a ameaça do coronavírus, que no Japão já causou uma morte. Se o COI tiver que decretar o cancelamento, será a quarta vez que tal acontece, depois de em 1916 devido à I Guerra Mundial, e em 1940 e 1944 por causa da II Guerra Mundial.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG