Campeão mundial foi ao palácio e dançou para o Presidente da República

Jorge Fonseca esteve em Belém com um grupo de crianças e contou a sua história de superação.

Marcelo Rebelo de Sousa, recebeu esta quinta-feira o judoca Jorge Fonseca em Belém e apresentou-o como um "duplo vencedor", ao lembrar a batalha que o atleta travou contra o cancro antes de ser campeão mundial. "Hoje, temos um exemplo excecional de um duplo vencedor, porque ganha no desporto e ganha na vida. Às vezes isso não acontece, ganha-se na vida, mas não se ganha no desporto", começou por dizer o Presidente da República, ao apresentar o judoca aos jovens presentes no Palácio de Belém.

Jorge Fonseca, que se tornou em agosto o primeiro português campeão mundial de judo, na categoria de -100 kg, foi o segundo convidado do programa 'Desportistas no Palácio', a seguir a Rosa Mota, num evento em que os atletas contam as suas experiências na vida e no desporto a jovens de várias escolas. O judoca aproveitou para recriar a famosa dança após o título mundial com alunos de escolas do Seixal, Caldas da Rainha e Lisboa.

Nascido em São Tomé e Príncipe a 30 de outubro de 1992, Jorge Fonseca chegou a Portugal com 11 anos. Ainda jogou à bola com os outros miúdos na rua, "mas não tinha jeito nenhum" e começou a praticar judo numa escola na Damaia seduzido pelos combates de Pedro Soares, que hoje é seu treinador no Sporting. Chegou a abandonar os estudos para se dedicar ao judo. "A minha mãe passou muitas dificuldades para eu ser quem sou hoje. Passei muitos momentos difíceis que me fortaleceram", contou o judoca, revelando que a medalha de ouro ganha no campeonato do mundo está pronta para ser colocada num quadro no quarto da mãe.

Depois de superar um tumor na perna esquerda, em 2015, quando tinha 22 anos -"foi muito duro. Fazia quimioterapia e estava no hospital o dia todo. Não podia treinar mas queria muito ir aos Jogos Olímpicos [em 2016, no Brasil]" -, em agosto sagrou-se campeão do mundo ao vencer o russo Niyaz Ilyasov: "Trabalhei muito. Cheguei a um momento em que não aguentava mais. Treinar, comer e dormir, não fazia mais nada. Tive o apoio do meu treinador e das pessoas certas", garante. O treinador, Pedro Soares, é a sua maior referência. "A minha maior inspiração é o meu treinador. É um pai para mim. Ensinou-me muito sobre judo e sobre a vida."

O próximo objetivo é ser campeão olímpico em Tóquio 2020, "no mesmo tapete" onde se sagrou campeão mundial.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.