Bruno Lage: "Só prometo ser trabalhador, sério e tomar as melhores decisões para o projeto"

O treinador do Benfica disse que não se arrepende das decisões que tomou durante a Liga dos Campeões e admitiu que, à semelhança dos técnicos mais experientes, está a aprender "a cada jogo" que vê da sua equipa ou dos adversários.

O afastamento do Benfica da Liga dos Campeões foi o tema central da conferência de imprensa de Bruno Lage na véspera da receção ao Marítimo, a contar para a 12.ª jornada da I Liga. O técnico admitiu que "não foi conseguido o objetivo" assumido no início da época que era "chegar o mais longe possível na competição e numa primeira fase ultrapassar a fase de grupos".

"O treinador tenta colocar o melhor onze para cada jogo e todos os dias trabalhamos de forma séria e honesta para que aquele Benfica que se viu no último jogo seja uma constante a nível nacional e internacional", assumiu quando questionado sobre as modificações na equipa que foi fazendo ao longo das jornadas da Champions. "Cada momento é diferente, dois meses após o início da época há jogadores em melhor forma que outros. Por exemplo, na primeira jornada Gabriel e Florentino não estavam disponíveis. O melhor onze é aquele que se apresenta melhor no momento", justificou.

Bruno Lage diz não se arrepender das decisões que tomou, mas deixou um aviso: "Se os treinadores mais experientes e com mais jogos dizer que estão em aprendizagem ao longo das competições, eu a cada jogo que observo da minha equipa ou dos adversários também estou a aprender."

O treinador do Benfica respondeu ainda com ironia a uma pergunta sobre se a eliminação da Champions poderia afetar o seu aumento de ordenado, prometido pela administração. "Pode ser, corta-me um bocado do bolo, em vez de aumento de quatro ou cinco vezes é só de um e meio", atirou, para depois, mais a sério, acrescentar: "Se um dia você não cumprir determinado objetivo, recebe o ordenado por inteiro ou vai receber metade? Aqui é a mesma questão."

Nesse contexto, deixou a garantia que, independentemente dos resultados, da sua parte haverá "responsabilidade máxima, maior ambição possível" e um compromisso "com o presidente, toda a estrutura e principalmente com os adeptos": "Têm aqui um homem trabalhador, que chega aqui todos os dias às 8.00 horas e sai daqui às 19 ou 20. Às vezes os adeptos ficam à minha espera até às cinco seis da tarde e não me conseguem ver porque eu estou cá a trabalhar. Importante é, a cada momento, sermos sérios naquilo na nossa profissão." Bruno Lage reforçou as promessas que faz enquanto treinador: "Ser trabalhador, sério e tomar as decisões convicto de que é o melhor para o clube e para aquilo que é o nosso projeto."

Bruno Lage admitiu ainda que Gabriel "poderá voltar a jogar mais vezes" como médio mais defensivo, como o fez na Alemanha com o RB Leipzig na quarta-feira. "São as tais coisas que temos de considerar. A nossa ideia nesse jogo era ter bola e tentar atrair a pressão dos dois médios para encontrar espaço atrás das suas costas. Fizemos isso na primeira parte, na segunda tínhamos de fazer outras coisas como levar o jogo de um lado ao outro e ter mais a bola no meio-campo ofensivo e o Gabriel dá-nos isso, maior poder de circulação com os outros médios (Chiquinho e Taarabt). Já o vimos fazer a posição quando temos de procurar o resultado."

O jogo com o Marítimo será o 50.º de Lage à frente da equipa principal do Benfica, um registo que considera "interessante", mas defendeu que "o importante é fazer um grande jogo perante um adversário difícil, competente que tem a motivação extra de ter mudado de treinador". "Queremos vencer e dar uma boa exibição aos adeptos", frisou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG