Bruno Lage confirma ausência de André Almeida e fala de Gabriel

Treinador do Benfica abordou esta sexta-feira o jogo da 21.ª jornada da I Liga com o Sp. Braga (sábado, às 18.00).

Bruno Lage abordou esta sexta-feira a situação de Gabriel, que foi diagnosticado com um problema ocular que é impeditivo para a prática da modalidade."Não temos previsão de nada. A nossa preocupação é olhar também para o lado humano. É um jogador fantástico que faz falta, como os outros. O seu contributo tem sido importante, como todos. Não tendo Gabriel, outro colega entrará em campo e dará o seu contributo. Temos de arranjar soluções para a equipa continuar com dinâmica", disse o treinador do Benfica na antevisão do jogo com o Sp. Braga (sábado, às 18.00, BTV).

André Almeida não estará disponível para o jogo da 21.ª jornada da I Liga, frente "à melhor equipa em Portugal no último mês". Por isso, espera m adversário "muito competente". "Na primeira parte da época fez, um campeonato um pouco irregular, fruto da campanha europeia que fez [está nos 16-avos-de-final, tal como o Benfica]. Depois, um Sp. Braga que claramente, no último mês, foi a melhor equipa em Portugal, fez um mês fantástico em termos de campeonato e na Taça da Liga. Um adversário competente, que alterou o sistema. Pela qualidade dos jogadores e dinâmica que tem tido, encontraremos um adversário competente", elogiou Lage, lembrando que "só uma grande equipa pode vencer este Sp. Braga", que "com todo o mérito que venceu a Taça da Liga".

Questionado sobre o trabalho de Rúben Amorim, o treinador confessou alguma admiração pelo trabalho do homologo bracarense. "Eu vou ser honesto, até fiquei surpreendido por ter sido eleito o melhor treinador de janeiro e já percebi porquê. O Sp. Braga votou em mim [revelação de Rúben Amorin] e talvez tenha feito a diferença. Prémios individuais são importantes, mas os coletivos são mais importantes. Amanhã defrontam-se duas excelentes equipas", lembrou, sem querer comparar o trabalho de Sá Pinto (ex-treinador bracarense) com o do atual técnico.

Quanto ao novo modelo de jogo do novo técnico dos guerreiros do Minho, com três centrais e que dificuldades isso coloca ao Benfica, Lage explicou: "A construção a três permite à outra equipa ter máxima largura. Uma equipa que normalmente jogue com quatro defesas, vai ter sempre três jogadores entre defesas e mantendo um de cada lado à largura. Uma construção a três contra apenas uma pressão de apenas dois jogadores também nos obriga a pressionar de outra maneira. Isso obriga a que uma equipa seja muito competente a defender."

Algo que o Benfica não tem sido. As fragilidades da equipa já foram identificadas no ano passado,segundo o treinador. "Todos os jogadores e equipas têm pontos bons e menos bons. Diga-me um completo, bom em tudo. Não há. A dinâmica é sabermos esconder aquilo que de menos bom temos. É assim que as equipas funcionam e é assim em qualquer trabalho. Estar a olhar para a questão de uma forma individual não é justo. Nesta casa treina-se muito e trabalha-se muito. Claro que todos têm os seus limites e há também o valor do adversário", afirmou.

Bruno Lage garantiu ainda que a derrota no Dragão, com o FC Porto não beliscou a moral da equipa e que o facto de os bracarenses não ganharem no Estádio da Luz há mais de 60 anos não é relevante, tendo em conta as dificuldades que os minhotos sempre colocaram ao Benfica.

Sobre as arbitragens e o clima de crispação entre Benfica e FC Porto, o técnico, como já é habitual, chutou para canto: "Sobre isso, o presidente já disse o que tinha a dizer. Eu gosto de falar é daquilo que é o jogo. E aproveito para falar sobre o jogo."

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG