Bruno Lage e a rivalidade: "Metam os olhos na relação entre o Pizzi e o Bruno Fernandes..."

Treinador do Benfica abordou o duelo com o Sporting da 17.ª jornada da I Liga. Jogo é na sexta-feira, às 21.15. Águias têm mais 16 pontos do que o rival de Alvalade. Ferro e Gabriel estão convocados.

Defrontar um Sporting com ou sem Bruno Fernandes. Essa é uma questão que não preocupa Bruno Lage. O treinador do Benfica não poupou nos elogios ao capitão do Sporting, mas revelou mais preocupações com o coletivo leonino. "Preparámos o jogo em função do que é o valor coletivo da equipa. Bruno Fernandes é um excelente jogador, já o elogiei várias vezes e dá um contributo enorme à equipa mas, independentemente de jogar ou não, não acredito que a dinâmica mude. Bruno Fernandes é um assunto do Sporting, mas claro que dá uma qualidade inegável ao Sporting, não temos a mínima dúvida disso", afirmou o técnico encarnado na conferência de imprensa de antevisão do dérbi de sexta-feira (21.15, Sport TV).

As equipas estão separadas por 16 pontos. Talvez por isso, para o treinador do Sporting, o jogo última da primeira volta do campeonato vale "mais do que três pontos", seja para os leões, que estão no quarto lugar e querem o pódio da I Liga, seja para as águias, que são líderes e querem manter distâncias para o FC Porto (está no 2.º lugar e joga com o Sp. Braga horas antes). Mas para Lage não é bem assim: "Vale três pontos e é com essa intenção que vamos a jogo. Há outra dimensão, por ser um dérbi, um dos jogos mais importantes a nível nacional. O Benfica quer ganhar ao Sporting e o Sporting quer ganhar ao Benfica, em qualquer modalidade e em qualquer escalão. Todos querem que a sua equipa vença e que os adeptos fiquem felizes com a prestação."

Claro que o facto de ser um dérbi lisboeta mexe mais com as pessoas. Questionado sobre o corte de relações do Sporting com duas das suas claques e a falta de apoio, o treinador benfiquista lembrou que em Inglaterra não há claques e há um respeito e uma paixão imensa pelo futebol. "Eu só quero é que não haja problemas antes, durante e depois do encontro. As pessoas deviam meter os olhos na relação do Pizzi e do Bruno Fernandes. São amigos cá fora, mas lá dentro fazem o seu trabalho e se for preciso meter o pé, metem. Quando acaba o jogo cumprimentam-se e depois andam a mandar piropos nas redes sociais. Há que viver de forma apaixonada durante 90 minutos", defendeu, depois de anunciar que Ferro e Gabriel vão a jogo.

O jogo da 17.ª jornada é às 21.15 e isso não agrada ao treinador, que já tinha falado da calendarização dos encontros, aquando do jogo da Taça de Portugal, na terça-feira. "Um jogo começar às 21.15 da noite? A que horas o Rio Ave voltou para Vila do Conde? O que é que isso acarreta a jogadores que jogam de três em três dias? E há que olhar para o adepto, ele é fundamental" sublinhou antes de fazer a apologia do adepto. "Às vezes é importante questionarmos determinadas coisas que acontecem no nosso futebol e por que acontecem. Em Inglaterra uma vez - jogávamos num sábado às 3 da tarde - a meio do aquecimento chega-nos o 4.º árbitro com delegados da federação a informar que o jogo tem de ser adiado meia hora. A razão é que tinha acontecido um acidente na autoestrada, os adeptos não tinham chegado e tínhamos de esperar por eles (...) Há que olhar para o adepto, ele é fundamental", lembrou o treinador do Benfica

Depois deu outro exemplo, que na opinião dele, merece ser alvo de reflexão: "Somos o único país em que usamos a braçadeira de treinador no banco. No ano passado, numa fase em que andava de muletas, recebi uma multa de 500 euros por não ter a braçadeira. Tirei-a momentaneamente, o quarto árbitro viu e fui multado. Conhecemos todos os treinadores da 1ª Liga, por que tenho de estar identificado no banco? São questões que fazemos porque sim e não refletimos sobre elas. O estádio tem de estar cheio com adeptos, o ambiente fantástico, temos de dar cada vez mais importância a isso. Ao adepto na bancada poder assistir ao jogo a uma hora decente. O dérbi e o FC Porto-Sp. Braga mereciam ser a um fim-de-semana."

Voltando ao Sporting e ao que disse Silas sobre o grande investimento do Benfica no plantel desta época. "É um facto, é alguém que esteve atento às nossas contratações, aos nossos gastos. Olho para o nosso valor enquanto equipa, independentemente do valor monetário dos jogadores. Olho para o Vinícius, com um trajeto semelhante ao do Felipe. Às vezes o valor dos jogadores vale o que vale. Vejo pelo que é o contributo de cada jogador à equipa. Estamos a ir ao encontro do que pretendíamos, um plantel curto, competitivo e equilibrado, com dois jogadores para cada posição e isso é o que me dá garantias para olhar para cada jogo com otimismo."

Com menos tempo de recuperação - Benfica jogou a meio da semana e o Sporting não -, Bruno Lage espera uma resposta idêntica à que a equipa teve no jogo com o Ave para a Taça de Portugal: "O mês de dezembro foi bom, início de 2020 foi muito forte, a equipa apresenta uma boa dinâmica ao longos dos 90 minutos. Quando se joga a um nível alto os jogadores estão mais rotinados para jogar e recuperar."

Quanto ao jogo em si, "o Sporting é um adversário muito competente" e o Benfica "tem de fazer jogo muito competente", com e sem bola, para criar oportunidades de golo e vencer o jogo.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG