Sérgio Conceição castigado com 21 dias de suspensão, pode falhar quatro jogos

Treinador do FC Porto foi expulso no jogo com o Moreirense pela quarta vez esta época. Castigo afasta-o do banco portista por quatro jogos pelo menos.

Afastado da luta pelo título. Sérgio Conceição foi esta quarta-feira suspenso por 21 dias e multado em 10 200 euros, pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, na sequência da expulsão no final do jogo de segunda-feira, em Moreira de Cónegos, que o FC Porto empatou (1-1).

O treinador dos dragões vai, ao que tudo indica, falhar pelo menos quatro dos cinco jogos que faltam para terminar a I Liga. Ou seja, as decisões da luta pelo título e do segundo lugar, que este ano dá entrada direta na Champions. Isto porque a I Liga está previsto terminar a 19 de maio.

A pena começa a ser cumprida na receção ao Famalicão, segue-se o clássico com o Benfica (6 de maio, na Luz) e ainda as partidas com o Farense em casa e a visita ao Rio Ave, devendo voltar ao banco apenas na última jornada (Belenenses SAD). Isto dependendo da marcação dos jogos da 34.ª jornada, mas também se não recorrer do castigo ou, por outro lado, vir o recurso negado.

O treinador do FC Porto foi expulso pelo árbitro Hugo Miguel após o encontro da 29.ª jornada com o Moreirense. Um golo anulado aos dragões aos 90+4 minutos impediu o triunfo e fez o técnico entrar "no terreno de jogo para contestar a equipa de arbitragem", proferindo as seguintes palavras: "És uma vergonha, roubaste-nos o campeonato."

No relatório do árbitro consta ainda que "após a exibição do cartão vermelho começou a bater palmas na direção do árbitro e continuou a dizer: "És fraco e má pessoa, roubaste-nos dois campeonatos, escreve tudo, és uma vergonha do cara***, és um ladrão, estás sempre a f****-nos"."

Estas palavras valeram-lhe um castigo de 21 dias com base no artigo 136.º do Regulamento Disciplinar: "Lesão da Honra, Reputação e Denúncia Caluniosa". O mesmo artigo que em novembro o suspendeu por 15 dias.

Já Rui Cerqueira, diretor de comunicação do FC Porto, foi castigado com 30 dias, enquanto os jogadores Uribe e Corona, os treinadores adjuntos Vítor Bruno e Diamantino Figueiredo, bem como o FC Porto estão a contas com processos disciplinares.

Foi ainda aberto ainda um processo de inquérito para averiguar o caso da agressão do empresário Pedro Pinho a um repórter de imagem da TVI, no final desse jogo.

Currículo disciplinar: 19 expulsões em nove anos

Para o castigo agora aplicado a Sérgio Conceição muito terá contribuído o longo historial disciplinar do treinador, que em média é expulso duas vezes por época, sendo que esta temporada já viu o cartão vermelho por quatro vezes, um recorde pessoal que exemplifica a montanha russa que tem sido a época dos portistas.

As 19 expulsões em nove anos de carreira fazem dele um treinadores mais indisciplinados do mundo. A maioria aconteceu de dragão ao peito (nove) e esteve relacionada com palavras dirigidas ao árbitro. E desengane-se quem acha que é um problema de resultados. Sérgio Conceição perdeu apenas cinco dos 19 jogos em que foi expulso, tendo empatado sete e vencido outros sete.

Diz ele que "são coisas de quem vive de forma apaixonada, às vezes exagerada, o futebol" e que não entende "a necessidade de alimentar isso", mas as altercações sucedem-se.

A história das expulsões (e explosões) de Sérgio Conceição remonta à primeira temporada como treinador em 2011-12. Estava ao serviço do Olhanense, quando numa receção ao Rio Ave (derrota por 0-2), a 12 de fevereiro de 2012, teve ordem de expulsão dada pelo árbitro Hélder Malheiro. Seria ainda expulso em mais dois encontros pelos algarvios antes de se mudar para Coimbra.

Na Académica, em 2013-14, nova expulsão numa derrota com o Marítimo por 3-1, na Madeira, por palavras injuriosas ao árbitro. E depois já ao serviço do Sp. Braga, outros dois vermelhos em confrontos com dois dos grandes - Benfica e Sporting. De Braga mudou-se para Guimarães, onde acumulou mais três expulsões.

Desde 2017-18 no comando do FC Porto, as "explosões" à margem da lei subiram de tom. São já nove ordens de expulsão em três épocas e meia. A primeira aconteceu em novembro de 2017 num jogo da Taça de Portugal, com o Portimonense. Conceição foi expulso por Artur Soares Dias devido a protestos sobre um alegado penálti não assinalado. A última foi em Moreira de Cónegos e valeu-lhe um castido de 21 das.

O treinador foi admitindo alguns excessos, mas recusou sempre o rótulo de rufia. "Com base em três ou quatro episódios passaram a imagem de uma pessoa conflituosa, que perdia facilmente as estribeiras. Isso não corresponde à verdade. A verdade é que vivo de forma muito apaixonada a profissão, sou muito exigente comigo e com os outros, tenho uma grande vontade de ganhar mas isso não tem de passar o limite. Quem lida comigo sabe a pessoa que sou. Colocaram rótulos enganadores", afirmou em maio de 2018.

isaura.almeida@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG