Santos atira-se ao recorde de fases finais com mais duas estreias na seleção

O selecionador deu início ao apuramento para o Campeonato do Mundo do Qatar, que poderá ser o seu quarto grande torneio pela equipa das quinas. Palhinha e Nuno Mendes são novidades da primeira convocatória.

Fernando Santos deu ontem o pontapé de saída rumo ao apuramento para o Campeonato do Mundo de 2002, que se vai realizar no Qatar. Mais do que o início de uma caminhada, trata-se de algo inédito, pois pela primeira vez um selecionador nacional vai tentar marcar presença pela quarta vez consecutiva numa fase final de uma grande competição, podendo assim ultrapassar Luiz Felipe Scolari, que esteve nos Europeus de 2004 e 2008 e no Mundial 2006.

Para já, Fernando Santos, de 66 anos, comandou a equipa das quinas no Euro 2016 e no Mundial 2018, vai liderar Portugal no Euro 2020, que por causa da pandemia se realiza no próximo verão (de 11 de junho a 11 de julho). Nessa altura, já estará em andamento a caminhada para o Qatar, em que a equipa das quinas é favorita do grupo, do qual consta Sérvia, República da Irlanda, Luxemburgo e Azerbaijão.

No primeiro dia desta nova caminhada, o selecionador nacional apresentou os sportinguistas Nuno Mendes e João Palhinha como principais novidades da lista de convocados, podendo assim aumentar o lote de jogadores que se estrearam pela sua mão na principal seleção nacional que, neste momento, já vai em 47.

O selecionador esclareceu os motivos da chamada dos dois jogadores, que até já era esperada, tendo em conta o rendimento que têm tido no líder da I Liga. "Nuno Mendes é um jogador de qualidade e tem características importantes para a equipa", sendo ao mesmo tempo "importante João Palhinha vir neste momento à seleção, porque não tem um grande trajeto de seleção e é muito importante tê-lo mais perto, avaliá-lo, em relação ao que a equipa pretende".

Outra das grandes notícias da convocatória prendeu-se com o guarda-redes Rui Patrício, que na segunda-feira à noite tinha pregado um grande susto quando, ao serviço do Wolverhampton, foi abalroado por um companheiro de equipa (ver fotolegenda). Afinal, apesar da pancada sofrida na cabeça, o habitual dono da baliza da seleção vai estar apto para os jogos com com o Azerbaijão (dia 24 de março, em Turim), Sérvia (dia 27, em Belgrado) e Luxemburgo (dia 30 na cidade do Luxemburgo). "O Rui está convocado porque nos foi dito que ele está estável, perfeitamente normal, vai seguir um protocolo médico durante dois ou três dias, o que é normal. Não haveria, por isso, nenhum problema em ser convocado", esclareceu Fernando Santos.

Na convocatória destacam-se ainda os regressos do defesa direito Cédric Soares e dos avançados André Silva e Rafa Silva, além de Pepe, que falhou a anterior chamada por lesão. Em contrapartida, ficam de fora Nélson Semedo, Mário Rui, Rúben Semedo, William Carvalho, Paulinho e Francisco Trincão.

Ausente desta chamada ficou o melhor marcador da I Liga, o sportinguista Pedro Gonçalves. "Há outros jogadores que podiam fazer parte desta convocatória, mas a minha escolha agora foi esta. Vamos disputar o Campeonato do Mundo e, por isso, não há outro tipo de opções, a não ser as mais válidas neste momento", justificou.

O sonho do Mundial de Ronaldo

Incontornáveis foram as perguntas sobre Cristiano Ronaldo, que depois da eliminação da Juventus diante do FC Porto andou nas bocas do mundo porque, alegadamente, estaria de saída do clube italiano. A resposta surgiu no sábado com três golos ao Cagliari, que o consolidou como melhor marcador da Série A com 23 golos.

"Tenho a certeza de que o Cristiano Ronaldo vem, como sempre, supermotivado. Não tem a ver com ter marcado mais ou menos golos. Virá, de certeza, com a mesma ambição que sempre demonstrou, não pensando em objetivos pessoais, mas em concretizar os da equipa nacional", frisou Fernando Santos, fazendo de imediato uma revelação: "Ronaldo tem um sonho muito grande de participar naquilo que Portugal se propôs, o de participar no Campeonato do Mundo e vencê-lo."

O selecionador nacional lamentou entretanto o facto de Portugal ter pela frente três jogos oficiais no curto espaço de seis dias. "É a primeira vez que vamos ter três jogos oficiais, a contar com pontos, a jogar com 72 horas de intervalo... o último, nem com 72 horas", argumentou, considerando que a melhor forma de lidar com esta questão é "preparar os jogadores para estarem frescos nestes jogos fundamentais para o apuramento".

A pouco mais de dois meses para a fase final do Campeonato da Europa, Fernando Santos deixou já um recado aos jogadores: "Esta convocatória não tem nada a ver com o Euro. Esta é uma convocatória para três jogos, por isso mais alargada do que o normal, para estarmos salvaguardados pareceu-me bem este número de jogadores." "Faço as escolhas tendo em conta o meu plano de jogo e a qualidade dos jogadores. Tenho um leque de trinta e tal jogadores que podiam estar na convocatória e mais para a frente abordarei o tema da fase final do Europeu", acrescentou.

carlos.nogueira@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG