Rúben Amorim "feliz no Sporting" recusa pensar na Premier League

Jogar com Marcus Edwards ou Paulinho, eis a questão que Rúben Amorim não quis responder para não dar armas ao Marselha. Técnico falou ainda do ranking europeu e da forma como ajuda os portugueses com milhões de euros. Coates e Porro são baixas.

O Sporting tem seis pontos e se vencer o Marselha (terça-feira, às 17.45, Eleven Sports) faz nove e quase pode reservar já (e de forma bem antecipada) um lugar nos oitavos de final ou assegurar pelo menos a Liga Europa. Dois jogos, duas vitórias, cinco golos marcados e zero golos sofridos. São estes os números de uma Liga dos Campeões perfeita até ao momento, mas Rúben Amorim não vai em fábulas e rejeita um empate como bom resultado.

"Este grupo pode mudar de um momento para o outro. Estamos numa má posição no campeonato e ganhar jogos na Champions ajudou-nos. É uma competição onde ganhamos dinheiro e é importante para nós. Queremos os três pontos. Espero um bom jogo dos meus jogadores, que saibam ler o jogo, mas a ideia é sempre vencer", defendeu o técnico leonino, que está "feliz" no Sporting e por isso o alegado interesse do Wolverhampton é um não assunto.

Vai jogar com Paulinho ou Marcus Edwards de início? "O que posso dizer é que um dos dois vai jogar no meio", respondeu, explicando que "toda gente sabe" que a "dinâmica muda" conforme o eleito e se revelasse quem joga isso iria facilitar a tarefa do adversário. E o que Amorim pretende é dificultar ao máximo a vida do colega Igor Tudor, a quem antevê um grande futuro como treinador. "Jogamos praticamente no mesmo sistema, mas de formas diferentes. Talvez o facto de os laterais estarem muito projetados seja uma diferença. Jogar com o Guendouzi ou com o Payet pode ser completamente diferente. Nós temos atuado com extremos com os pés trocados, por isso há sempre essas diferenças. Temos de focar-nos muito naquilo que fazemos. Vai ser uma luta de ideias e as individualidades vão fazer a diferença. Confio muito no Pote e nos seus colegas para fazer a diferença para o nosso lado", resumiu Amorim, que não conta com Porro e Coates para a partida em França.

O duelo é inédito. Em 20 jogos oficiais com equipa francesas na Europa, nunca os leões enfrentaram os marselheses, e com essa particularidade de se darem mal com os ares franceses (duas vitórias em nove jogos realizados em território gaulês). É também a primeira cimeira luso-francesa, com os verdes e brancos, nos últimos 12 anos, apesar de terem feito 10 encontros particulares com gauleses (três com o Marselha) desde 2011-12. Há muito que o ranking europeu é tema entre clubes portugueses e franceses, mas por razões diferentes, segundo o treinador do Sporting: "Precisamos de ter mais clubes nas competições europeias e pensamos no dinheiro, pois não temos a capacidade financeira que os clubes franceses têm."

O Vélodrome não terá adeptos nas bancadas no jogo da terceira jornada do Grupo D da Liga dos Campeões, que será dirigido pelo árbitro italiano Davide Massa, devido a castigo da UEFA (comportamento inadequado dos adeptos na receção ao Eintracht Frankfurt, vitória dos alemães, por 1-0). Para Rúben Amorim "é diferente jogar com o estádio cheio ou à porta fechada", mas recordou que "o Sporting foi campeão sem adeptos nas bancadas", na época 2020-21, por causa da pandemia.

Já para o treinador Igor Tudor fará diferença. "É pena não podermos contar com os nossos adeptos, pois vão fazer-nos falta, mas isso não alterou muito a nossa preparação. Temos de estar concentrados e fazer um bom jogo", disse o técnico do Marselha, admitindo que o Sporting "é uma equipa importante, com jogadores muito bons em todas as posições". Por isso, o técnico croata espera que a sua equipa não cometa erros na partida desta noite: "Nos dois jogos anteriores até estivemos ao nível dos adversários, que são equipas de grandes campeonatos, como o alemão e o inglês. Acho que merecíamos mais."

isaura.almeida@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG