Roger Schmidt confirma interesse em Ricardo Horta e anuncia treino aberto

"Tenho uma ideia de como quero jogar, mas também estou aberto a ajustes consoante a qualidade dos jogadores", disse esta segunda-feira o treinador alemão no arranque da pré-época 2022-23 do Benfica.

Com o presidente Rui Costa na primeira fila, Roger Schmidt entrou na sala de Imprensa, para a primeira conferência de Imprensa enquanto treinador do Benfica, disse 'Boa tarde' em português e respondeu a tudo o que lhe perguntaram em pouco mais de dez minutos, confirmando inclusive o interesse em Ricardo Horta do Sporting de Braga. "Acho que é um jogador muito bom. Não tenho a certeza se vamos conseguir contratá-lo, mas acho que poderia ser uma grande melhoria para a equipa, veremos o que vai acontecer nas próximas semanas", admitiu o alemão, convidando os adeptos a assistir a um treino aberto no Estádio da Luz, no domingo.

"Estou ansioso por ter o estádio cheio e os adeptos do nosso lado, isso faz parte do Benfica. Se estivermos ao melhor nível podem ser grande motivação para os jogadores. Espero que no próximo domingo venham ao estádio, vamos fazer um treino aberto. Queremos conectar o clube, os jogadores e os adeptos", disse o novo treinador encarnado admitindo que a pressão de ser campeão existe, depois de dois anos sem títulos, mas ele não a sente. "Mesmo que tivéssemos sido campeões haveria essa pressão. As pessoas responsáveis pelo Benfica, como o presidente e o diretor desportivo, acreditam que sou a pessoa certa para ser campeão e quero mostrar que fizeram a escolha certa. Esta é a pressão de assinar por um clube de topo, em qualquer liga. Não quero focar-me na pressão, mas sim na motivação de deixar os benfiquistas felizes. Não sinto a pressão."

Segundo o alemão, na época passada, "o FC Porto fez muitos pontos e mereceu ser campeão", mas "o passado não importa nada" e na temporada 2022-23, "o Benfica tem de lutar pelo título, que é o principal objetivo".

O técnico mostrou-se "muito feliz" pela contratação de Enzo Fernández, realçando as qualidades do médio do River Plate, esperando que se junte "o mais cedo possível" ao plantel do Benfica, que esta segunda-feira deu início à pré-época 2022-23. "Claro que estamos muito felizes que ele se tenha juntado a nós. É muito talentoso. O melhor seria ele chegar o mais cedo possível mas temos de esperar pelos próximos jogos. Estamos ansiosos por trabalhar com ele", disse, em declarações na conferência de imprensa realizada hoje na Luz.

Schmidt teceu ainda largos elogios a Julian Weigl, referindo-se ao internacional pela Alemanha como potencial "jogador de topo". "Acho que é um jogador experiente, já o mostrou na Alemanha, pode ser um jogador de topo. Conhecia-o da Bundesliga quando o treinava no Leverkusen, e agora estou à procura de ter mais informações sobre ele. É um bom jogador, uma ótima pessoa, vamos ver o que vai acontecer", disse o treinador alemão, revelando que Mario Götze preferiu ficar na Alemanha e "é um assunto encerrado".

Questionado sobre se já tem as peças necessárias para jogar da maneira que quer, respondeu que está "muito entusiasmado pelas semanas que aí vem". Disse conhecer todos os jogadores, mesmo os jovens e os que voltam de empréstimo: "Estou muito entusiasmado para os ver nos treinos. Estou ansioso e tenho a certeza que temos muita qualidade, uma boa mentalidade. A pré-época é sempre muito importante, mas já não temos muito tempo. Tenho uma ideia de como quero jogar, mas também estou aberto a ajustes consoante a qualidade dos jogadores."

Na primeira declaração que fez aos jornalistas ainda no aeroporto, quando foi apresentado no dia, disse: "Se amamos o futebol, amamos o Benfica". Hoje pediram-lhe para explicar a frase de ficou na retina dos adeptos: "O que eu quis dizer foi que todos amamos futebol, e há alguns clubes que têm uma longa história e tradição, com jogadores incríveis. Clubes que venceram muitos títulos. Eu sou alemão, de longe de Portugal, mas o Benfica para mim é um desses clubes."

Roger Schmidt reconheceu ainda que foi por "sugestão do clube" que aceitou Javi Garcia como adjunto: "Acho que foi muito importante que tenha vindo. Claro que tenho os meus assistentes, que vieram comigo, mas acho muito importante que estes elementos se juntem. Foi uma sugestão do clube, ele era um grande jogador, e agora é também uma boa pessoa e está muito motivado. Fiquei muito feliz por se ter juntado a nós, tem conhecimento do futebol português e das coisas importantes na Liga. É por isso que está connosco e estou ansioso por trabalhar com ele."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG