"Projeto do Sp. Braga não será abalado se os milhões da Champions não entrarem"

Guerreiros de Carvalhal ultrapassaram o FC Porto no 2.º lugar e estão agora a nove pontos do líder, Sporting. Alan desvaloriza importância dos milhões da UEFA, lembra adversidades e aponta ao título nacional "mais cedo ou mais tarde".

Para Alan, o segundo lugar "é uma consequência da boa época do Sp. Braga". Já os milhões da Champions não são uma obsessão, mesmo que ajudem a solidificar o projeto em torno de um futuro título nacional. E "já não há dúvidas de que o Sp. Braga é o quarto grande". Aliás, segundo o antigo jogador, "há muito tempo" que o emblema minhoto merece ser incluído no grupo dos, até agora, três grandes do futebol português (Benfica, FC Porto e Sporting).

O triunfo de domingo (2-1, Nacional) permitiu à equipa de Carvalhal ultrapassar o FC Porto e subir ao segundo lugar da tabela classificativa, a nove pontos do líder Sporting. O segundo lugar é para manter ou olhar para cima (liderança)? "Neste momento, se for para olhar para cima, é para apanhar o avião", respondeu o treinador bracarense, colocando o foco na segunda mão da meia-final da Taça da Portugal (amanhã, com o FC Porto).

O segundo lugar será histórico, já que garantirá a entrada direta na fase de grupos da Liga dos Campeões. Na única vez que os guerreiros do Minho jogaram a Champions (2010-11) Portugal só tinha um lugar direto (para o campeão Benfica, por isso a vice-liderança deu direito a jogar o playoff, onde o Sp. Braga eliminou o Sevilha e garantiu a participação na fase de grupos pela primeira vez. Foi também nesse ano que chegou à final da Liga Europa (perdida para o FC Porto), depois de ser eliminado da Champions.

Neste ano, a entrada direta na Liga dos Campeões vale quase 35 milhões de euros à cabeça. "O Sp. Braga está com boa saúde financeira e tem alicerces muito fortes. O clube fez encaixes importantes com a venda de jogadores e tem vários ativos cobiçados que podem ser vendidos. O projeto não será abalado se os milhões da Champions não entrarem, não estamos obcecados com isso, mas é verdade que os milhões dão outra folga a quem gere os destinos do clube", admitiu ao DN o atual responsável pelas relações institucionais do Sp. Braga.

Mas desengane-se quem acha que os milhões da UEFA serão o garante de uma candidatura ao título nacional na próxima época: "O Sp. Braga campeão vai acontecer mais tarde ou mais cedo, independentemente dos milhões da Champions. O caminho está a ser muito bem construído, com bases sólidas, pés no chão, crença do presidente e sem passos maiores do que as pernas. Não tenho dúvidas de que num futuro próximo seremos campeões." Mas, para já, a ordem é para retirar pressão.

Alan fazia parte da equipa que em 2009-10 acabou em 2.º lugar, a melhor classificação de sempre na I Liga (ver caixa). "Foi um campeonato superdifícil. Fomos líderes durante muitas jornadas e acabámos em segundo lugar. O sucesso atual tem algo a ver com essa época porque o clube conseguiu manter a base e os pés no chão sem deixar de sonhar com mais", recordou o antigo jogador, lembrando que "a filosofia do jogo a jogo" funcionou na altura e tem funcionado agora.

Segundo o dirigente, não há grandes segredos por detrás do sucesso deste Sp. Braga, para além de "competência", "crença do presidente" e "bons profissionais nas mais diversas áreas". Estes são, aliás, os três pilares do crescimento do clube que em janeiro fez 100 anos: "Hoje em dia não falta nada aos jogadores. Só têm de entrar em campo e fazerem o que sabem fazer melhor. Dizer que somos guerreiros é fácil, mas nós temos posto em prática esse lado guerreiro, essa tem sido a nossa imagem de marca nos últimos anos."

Olhando mais para a época atual e para o desempenho da equipa de Carvalhal, Alan ressalva as adversidades. Além da covid-19, a equipa perdeu jogadores muito importantes, com lesões graves, como Rui Fonte, Iuri Medeiros ou David Carmo, e vendeu Paulinho ao Sporting. "E mesmo assim a equipa não perdeu qualidade, no sentido em que continua a vencer. Isso é mérito de uma equipa de trabalho muito grande, desde quem observa, escolhe e contrata os jogadores ao treinador que encontra alternativas quando uma peça falta. Os que têm entrado têm dado conta do recado. A isso chama-se equipa e por isso estamos no lugar em que estamos e merecemos. Sabemos que se ganharmos os nossos jogos vamos terminar em segundo... mas isso é outra história."

Domingos Paciência na melhor época

Na época 2009-10, o Sp. Braga liderava a I Liga após onze jornadas e chegou ao fim em 2.º a cinco pontos do campeão, Benfica. Treinados por Domingos Paciência, os guerreiros do Minho tinham no plantel jogadores como Eduardo (atual treinador de guarda-redes do clube), Alan (ver texto principal), Hugo Viana (atual diretor do futebol leonino) e João Pereira (hoje no Sporting).

À 21.ª jornada, a equipa era 2.ª na Liga com 16 vitórias, três empates e duas derrotas. Comparando, agora tem 15 vitórias, um empate e cinco derrotas, sendo o segundo melhor desempenho depois da época 2011-12.

Mas se em 2009-10 ficou pelos quartos-de-final da Taça de Portugal, agora está de olho na final da competição.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG