Uruguai faz o pleno de vitórias e a Rússia foi a última vítima

Sul-americanos resolveram o jogo na primeira parte e vão defrontar Portugal.

Há jogos de futebol que por vezes se assemelham àqueles filmes de sábado à tarde em que, ao mesmo tempo que o estamos a ver, vamos antecipando a cena seguinte e, principalmente, o desfecho final. Mesmo assim ficamos de olhos colados ao ecrã até ao fim por uma inexplicável teimosia a que se junta àquela ténue esperança de que algo vai mudar ou ser diferente daquilo que já tínhamos previsto. Mas não.

O jogo entre a Rússia e o Uruguai que terminou com a vitória sul- americana por 3-0 fez lembrar uma dessas películas de fim de semana. Ao fim dos primeiros 45 minutos já o conflito estava resolvido e o final era mais do que previsível, se bem que aqui a culpa não foi do mordomo.

Luís Suárez começou por reduzir o suspense aos nove minutos com um belo golo de livre direto, a seguir veio um remate de Laxalt (23") e o decisivo desvio de Cheryshev para a própria baliza no 2-0, e tudo culminou com uma expulsão de Smolnikov (36") depois de ver o segundo amarelo, deixando a Rússia a partir desse momento com menos um elemento em campo. E assim, ao intervalo, estava feita a história do encontro.

Na segunda parte, a partida foi-se arrastando sem grandes motivos de interesse, poucas jogadas relevantes e as oportunidades contavam-se pelos dedos de uma mão.

A exceção a esta monotonia deu-se nos últimos dez minutos, com o Uruguai a parecer querer engordar os números do jogo, despertando os telespetadores e os adeptos no estádio. Cristian Rodríguez foi uma das novas personagens que trouxeram alguma ação ao filme. Porém, foi Cavani a desenhar o desfecho final (3-0) com um golo aos 90 minutos.

Com este triunfo, o Uruguai garantiu o primeiro lugar do Grupo A com nove pontos e vai defrontar Portugal nos oitavos-de-final.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.