Uruguai faz o pleno de vitórias e a Rússia foi a última vítima

Sul-americanos resolveram o jogo na primeira parte e vão defrontar Portugal.

Há jogos de futebol que por vezes se assemelham àqueles filmes de sábado à tarde em que, ao mesmo tempo que o estamos a ver, vamos antecipando a cena seguinte e, principalmente, o desfecho final. Mesmo assim ficamos de olhos colados ao ecrã até ao fim por uma inexplicável teimosia a que se junta àquela ténue esperança de que algo vai mudar ou ser diferente daquilo que já tínhamos previsto. Mas não.

O jogo entre a Rússia e o Uruguai que terminou com a vitória sul- americana por 3-0 fez lembrar uma dessas películas de fim de semana. Ao fim dos primeiros 45 minutos já o conflito estava resolvido e o final era mais do que previsível, se bem que aqui a culpa não foi do mordomo.

Luís Suárez começou por reduzir o suspense aos nove minutos com um belo golo de livre direto, a seguir veio um remate de Laxalt (23") e o decisivo desvio de Cheryshev para a própria baliza no 2-0, e tudo culminou com uma expulsão de Smolnikov (36") depois de ver o segundo amarelo, deixando a Rússia a partir desse momento com menos um elemento em campo. E assim, ao intervalo, estava feita a história do encontro.

Na segunda parte, a partida foi-se arrastando sem grandes motivos de interesse, poucas jogadas relevantes e as oportunidades contavam-se pelos dedos de uma mão.

A exceção a esta monotonia deu-se nos últimos dez minutos, com o Uruguai a parecer querer engordar os números do jogo, despertando os telespetadores e os adeptos no estádio. Cristian Rodríguez foi uma das novas personagens que trouxeram alguma ação ao filme. Porém, foi Cavani a desenhar o desfecho final (3-0) com um golo aos 90 minutos.

Com este triunfo, o Uruguai garantiu o primeiro lugar do Grupo A com nove pontos e vai defrontar Portugal nos oitavos-de-final.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."