Uruguai faz o pleno de vitórias e a Rússia foi a última vítima

Sul-americanos resolveram o jogo na primeira parte e vão defrontar Portugal.

Há jogos de futebol que por vezes se assemelham àqueles filmes de sábado à tarde em que, ao mesmo tempo que o estamos a ver, vamos antecipando a cena seguinte e, principalmente, o desfecho final. Mesmo assim ficamos de olhos colados ao ecrã até ao fim por uma inexplicável teimosia a que se junta àquela ténue esperança de que algo vai mudar ou ser diferente daquilo que já tínhamos previsto. Mas não.

O jogo entre a Rússia e o Uruguai que terminou com a vitória sul- americana por 3-0 fez lembrar uma dessas películas de fim de semana. Ao fim dos primeiros 45 minutos já o conflito estava resolvido e o final era mais do que previsível, se bem que aqui a culpa não foi do mordomo.

Luís Suárez começou por reduzir o suspense aos nove minutos com um belo golo de livre direto, a seguir veio um remate de Laxalt (23") e o decisivo desvio de Cheryshev para a própria baliza no 2-0, e tudo culminou com uma expulsão de Smolnikov (36") depois de ver o segundo amarelo, deixando a Rússia a partir desse momento com menos um elemento em campo. E assim, ao intervalo, estava feita a história do encontro.

Na segunda parte, a partida foi-se arrastando sem grandes motivos de interesse, poucas jogadas relevantes e as oportunidades contavam-se pelos dedos de uma mão.

A exceção a esta monotonia deu-se nos últimos dez minutos, com o Uruguai a parecer querer engordar os números do jogo, despertando os telespetadores e os adeptos no estádio. Cristian Rodríguez foi uma das novas personagens que trouxeram alguma ação ao filme. Porém, foi Cavani a desenhar o desfecho final (3-0) com um golo aos 90 minutos.

Com este triunfo, o Uruguai garantiu o primeiro lugar do Grupo A com nove pontos e vai defrontar Portugal nos oitavos-de-final.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.