Silas substitui Domingos Paciência no comando

Antigo jogador do clube assegura sucessão, após rescisão de Domingos

Domingos Paciência já não é treinador do Belenenses, tendo ficado decidida esta terça-feira a rescisão de contrato, em reunião com o presidente da SAD do Restelo, Rui Pedro Soares.

Para já, o sucessor é Silas, de 41 anos, antigo médio que jogou no Belenenses entre 2005 e 2009 e que em dezembro passado tinha sido escolhido para liderar o projeto da futura equipa B do clube, juntamente com outro antigo médio da formação do Restelo, José Pedro.

Silas acabou a carreira de jogador no final da época passada, com 40 anos, ao serviço do Cova da Piedade. Falta saber ainda se será apenas treinador interino ou se assume o comando até fim da época.

A relação entre Domingos e a SAD do Belenenses vinha a deteriorar-se nos últimos tempos, tendo atingido a rutura após a derrota caseira frente ao Rio Ave, na última jornada, por 1-2. Após o jogo, o líder da SAD Rui Pedro Soares disse aos jornalistas não compreender as queixas de Domingos sobre um plantel "curto e limitado", lembrando os vários reforços.

"Já contratámos 14 reforços esta época, dos quais cinco são pontas-de-lança. Temos dois excelentes pontas-de-lança que sempre marcaram golos, mas que deixaram de marcar recentemente. É preciso perceber porquê, não podemos ter reforços todas as semanas. É normal que os dirigentes e os treinadores nem sempre estejam de acordo", admitiu então.

O Belenenses é 11.º classificado da I Liga, com 19 pontos, mas não ganha há nove jornadas (10.ª ronda, a 28 de outubro, 3-0 na receção ao Moreirense). De então para cá acumula cinco derrotas e três empates.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.