Neymar, o plano do Real para voltar a ser galático

Brasileiro, ex-Barça, é o "objetivo estratégico" de Florentino Pérez para liderar a renovação do Real Madrid nos próximos anos

Neymar "acabou" de trocar o Barcelona pelo PSG por um estratosférico valor recorde de 222 milhões de euros? Não é problema para o Real Madrid de Florentino Pérez. O craque brasileiro está definido como o próximo alvo do presidente merengue para voltar a fazer do Real great again no mercado de transferências - e também no relvado, claro, onde a façanha inédita de cinco troféus conquistados no ano de 2017 parece já um feito longínquo face aos atuais humilhantes 16 pontos de atraso para o Barcelona na liga espanhola.

A informação fez ontem manchete do jornal madrileno Marca - "Com Neymar na cabeça" -, que garante que o antigo avançado do Barça é a prioridade absoluta para a estratégia de reestruturação do Real Madrid nos próximos anos, no plano desportivo e comercial. E, por isso, Florentino Pérez está determinado a iniciar o processo de tentativa de contratação do brasileiro, mesmo sabendo que poderá ter de desembolsar pelo menos 400 milhões de euros, adianta aquele diário espanhol.

A equação não é nova para o presidente do Real Madrid, que a implementa desde a sua primeira chegada à liderança do clube, quando roubou o português Luís Figo ao rival Barcelona para ganhar as eleições num já longínquo verão de 2000. A fórmula dos galáticos foi sendo replicada, com maior ou menor sucesso, ao longo dos reinados de Florentino, marcando a história do Real Madrid neste século.

Depois de Figo, seguiram-se Zidane, Ronaldo (o brasileiro), David Beckham, Michael Owen ou Robinho, na primeira era de Florentino (até 2006). O arranque da segunda era do empresário na presidência do clube ficou marcado pela chegada de outro português, Cristiano Ronaldo, que entretanto marcou a história do Real Madrid como só Di Stefano antes dele (na década de 1950) e viu juntarem-se-lhe nos anos seguintes nomes como Mesut Ozil, Di Maria, Luka Modric, Gareth Bale, James Rodriguez ou Toni Kroos (alguns já fora do clube).

Nos últimos dois anos, contudo, o Real tem adotado um perfil surpreendentemente discreto no mercado de transferências. Nesta época, por exemplo, gastou apenas 46,5 milhões na contratação de dois jogadores (Theo Hernandez e Dani Ceballos), menos até do que o outrora "vizinho pobre" Atlético de Madrid (104 milhões) e longe, muito longe, dos 323 milhões com que o rival Barça estabeleceu um novo recorde mundial, ultrapassando precisamente o investimento do Real Madrid em 2009 (257,4 milhões, ano de Kaká e Ronaldo).

Mas isso está a acabar. O Real vai voltar à normalidade galática no próximo verão. E Neymar é o escolhido. Falta saber o que pensa o PSG. Ou melhor, calcula-se: "Inegociável", reporta o mesmo diário Marca, noutro texto, lembrando que Neymar não tem cláusula de rescisão (proibidas em França). Florentino Pérez, no entanto, confia em convencer os parisienses. E pode até usar Cristiano Ronaldo para isso, já que o português de 32 anos tem manifestado mal-estar pela falta de melhoria salarial e o seu futuro já surgiu na rota do PSG.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)