Lopetegui exige prémios e dragões rompem contrato

FC Porto rescindiu unilateralmente o vínculo com o treinador espanhol, que além dos salários até 2017 quer receber prémios

Afinal não houve acordo para a rescisão de contrato entre o FC Porto e Julen Lopetegui. A SAD portista informou ontem por comunicado a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) que rescindiu unilateralmente com o técnico, segundo o DN apurou porque o espanhol pretende receber as verbas previstas dos prémios que poderia conquistar se, por exemplo, fosse campeão nacional. Há um entendimento para o pagamento do que resta dos salários, na ordem dos 2,5 milhões, mas os dragões entendem que não têm de pagar prémios.

Na última quarta-feira, Lopetegui escreveu uma carta de despedida aos adeptos portistas, no mesmo dia em que o seu empresário, em declarações ao Maisfutebol, revelou haver entendimento com o FC Porto para a rescisão, que não contemplava os prémios. No entanto, nem as palavras de Lopetegui nem as afirmações do empresário fizeram os dragões pronunciar-se. Até ontem.

Na base da discórdia, segundo apurou o DN, estão os valores que Lopetegui exige relativos aos prémios. O espanhol chegou a um entendimento com a SAD relativamente aos salários (recebia 1,7 milhões brutos por ano, faltando-lhe cumprir um ano e meio de contrato), mas não abdicou dos valores variáveis, consoante os troféus que poderia conquistar até junho de 2017.

Apesar da insistência da SAD, o espanhol não quis conversar mais sobre este tema e o FC Porto partiu para a rescisão unilateral, com o processo a seguir-se agora em tribunal caso as partes não cheguem entretanto a um entendimento.

O facto de o FC Porto pretender apresentar o novo treinador na próxima semana (Sérgio Conceição), e como não podem ter dois técnicos inscritos na Liga, levou a SAD a avançar para a rescisão unilateral, de forma a não atrasar o processo da sucessão do espanhol. Isto, contudo, não quer dizer que os dragões não tentem novo entendimento com Julen Lopetegui.

D"Onofrio fecha Conceição

Sérgio Conceição, ainda treinador do V. Guimarães, já aceitou a proposta do FC Porto, mas o contrato não está assinado. Ontem, segundo o DN apurou, Luciano D"Onofrio, ex-empresário e amigo de Sérgio Conceição, esteve na cidade do Porto a ultimar a transferência, até porque tem também uma relação próxima com Pinto da Costa, presidente dos azuis e brancos.

A opção por Sérgio Conceição não foi a primeira da SAD. Os dragões tentaram saber primeiro da disponibilidade de Villas-Boas e de Leonardo Jardim, e também Marco Silva foi analisado, mas com este último não terá havido contactos.

Sem possibilidade de avançarem para as primeiras opções, a escolha recaiu em Sérgio Conceição. Os dragões pretendiam apenas um contrato válido até final da temporada, mas Conceição exigiu uma cláusula que lhe garante um vínculo por mais um ano se for campeão. Amanhã, curiosamente, o FC Porto desloca-se a Guimarães, resta saber se Conceição estará sentado no banco da equipa minhota.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG