FC Porto prepara ataque final ao 30.º título nos 40 anos da presidência de Pinto da Costa

Dragões podem ser campeões já no dia 25 de Abril. Sp. Braga já apadrinhou outro título portista, ainda hoje chamado de "mãe de todas as vitórias". Sérgio Conceição com recordes à vista numa época que pode ser de sonho

A quatro pontos do título. Após a vitória sobre o Portimonense (7-0) e o triunfo do Benfica no dérbi (2-0), que complicou (e muito) as contas do Sporting para o bicampeonato, o líder FC Porto aumentou para nove os pontos de vantagem sobre os leões, quando faltam quatro jornadas (e 12 pontos em disputa) para o fim da I Liga, podendo mesmo ser campeão na próxima segunda-feira, frente ao Sp. Braga, clube que já apadrinhou outro título dos dragões.

Para que isso aconteça em pleno 25 de Abril, há dois cenários possíveis: os dragões vencerem os minhotos e esperarem que o Sporting não vença o Boavista no Bessa; ou empatarem em Braga e o Sporting perder. A confirmar-se um dos dois cenários, o FC Porto soma desde logo o 30.º campeonato (ficando a 7 do recordista Benfica).

O jogo da 31.ª jornada da I Liga coloca os portistas diante de um dos adversários que mais dificuldades lhes criaram nos últimos anos (apenas três vitórias nos últimos dez jogos) e com uma ligação forte à história azul e branca. A 11 de junho de 1978 os portistas saíram à rua para festejar o sexto título, 19 anos após a última conquista (1959), no seguimento de uma vitória nas Antas (antigo Estádio do Dragão) sobre o Sp. Braga.

Foi o primeiro título de Pinto da Costa, que dois anos antes se tornara responsável pelo departamento de futebol e escolhera José Maria Pedroto para liderar o projeto. Depois da dupla Pinto da Costa-Pedroto nunca nada foi igual no clube e no futebol português e por isso, ainda hoje, os responsáveis portistas chamam a essa conquista "a mãe de todas as vitórias". O FC Porto partiu para essa temporada com cinco títulos e quatro Taças de Portugal no palmarés. Desde então Pinto da Costa foi eleito presidente (a 17 de abril de 1982, tomando posse a 23 de abril) e o clube totaliza agora 29 campeonatos, 17 Taças, 22 Supertaças, duas Liga dos Campeões, duas Liga Europa, duas Taça Intercontinentais e uma Supertaça Europeia de futebol.

Festejar a conquista do campeonato a algumas jornadas do fim é algo que já aconteceu muitas vezes desde 1938-39, o ano do primeiro título dos dragões que é também o ano do arranque do campeonato como hoje o conhecemos. O recorde de precocidade de um título azul e branco já não será batido, uma vez que Jesualdo Ferreira, na época 2007-08, festejou o tricampeonato a cinco jornadas do fim, com uma goleada ao Estrela da Amadora (6-0). Também Villas-Boas o conseguiu a cinco jornada do fim em 2010-11, festejando o título em pleno Estádio da Luz, após vencer o Benfica (2-1).

O recorde absoluto, esse, é do Benfica, em 1972-73, sob as ordens de Jimmy Hagan. Num campeonato com 30 jornadas, os lisboetas só precisaram de 23 para imporem a sua superioridade. Foi a 11 de março com um triunfo sobre o Vitória de Setúbal, por 3-0, que a festa começou. No final, os encarnados foram campeões invictos e registaram umas impressionantes 28 vitórias seguidas no campeonato - número que este FC Porto de Sérgio Conceição ainda pode bater uma vez que tem agora 26 triunfos.

Os (muitos) recordes de Sérgio Conceição

Sérgio Conceição é o primeiro treinador da história do futebol português a conseguir ultrapassar os 80 pontos em cinco campeonatos consecutivos, procurando esta época um novo máximo pontual, que já lhe pertence (88 pontos) em parceria com Rui Vitória. Tem agora 82 pontos na tabela da I Liga e a possibilidade de conquistar mais 12. Até ao momento, o FC Porto ainda não perdeu e só desperdiçou oito pontos, fruto de quatro empates: Marítimo, Gil Vicente e dois com o Sporting.

Já esta época, o técnico portista conseguiu bater o recorde de jogos consecutivos sem perder no campeonato (58 até agora), podendo mesmo ser campeão sem derrotas. Até hoje só Jimmy Hagan (Benfica, 1972-73), John Mortimore (Benfica, 1977-78), André Villas-Boas (FC Porto, 2010-11) e Vítor Pereira (FC Porto, 2012-13) o conseguiram, mas, nestes quatro casos, o campeonato tinha 30 jornadas e não 34 como a atual. O que significa que ele pode estabelecer novo máximo.

Para já, está a quatro pontos de ser campeão e entrar no restrito grupo dos treinadores portugueses com três títulos nacionais, juntamente com Jorge Jesus, Jesualdo Ferreira e Artur Jorge. Sérgio é também o treinador que mais tempo aguentou no banco portista na era Pinto da Costa. Orienta os portistas desde 2017 e tem contrato até 2023 - só Jesualdo Ferreira tinha orientado os dragões por quatro anos (2006 a 2010) até agora. E já é o segundo técnico com mais jogos de dragão ao peito (265) e o segundo com mais vitórias (190), sendo apenas superado por Pedroto (322 jogos e 214 vitórias).

Por mais que ele diga que os adeptos não festejam os recordes do Sérgio Conceição, mas sim os título do FC Porto, é impossível passar ao lado das conquistas do ex-jogador desde que chegou ao banco portistas. Na quinta-feira pode chegar a mais uma final da Taça de Portugal e quiçá lograr repetir a dobradinha de 2019-20.

isaura.almeida@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG