Fava saiu ao Brasil. França com via verde. E conseguirá a Argentina honrar Maradona?

Grupo G é provavelmente o mais forte e reúne a seleção canarinha, a Sérvia, a Suíça e os Camarões.

Na semana em que recuperou a liderança do ranking mundial, o Brasil viu o sorteio colocá-lo no grupo G com Sérvia, Suíça e Camarões - repete dois adversários do Mundial de 2018 -, naquele que pode ser considerado o grupo mais forte do Mundial 2022. A seleção brasileira procura um inédito sexto título mundial, 20 anos após a última conquista (2002). Desde então a Europa tem reinado: Itália (2006), Espanha (2010), Alemanha (2014) e França (2018).

A atual campeã mundial tem via verde para passar a fase de grupos - calhou com a Dinamarca, Tunísia e o vencedor do playoff 1 - e tentar renovar o título. Se tal se concretizar, a França entra no top 3 das seleções que o conseguiram vencer a prova duas vezes consecutivas. Até hoje só o Brasil e a Itália (grande ausente do Campeonato do Mundo) se sagraram bicampeãs.

O grupo E tem duas seleções campeãs mundiais (Espanha e Alemanha), que, em teoria passarão num grupo que também conta com o Japão. Falta ainda conhecer um adversário (playoff 2). No grupo F prevê-se animada luta com Bélgica e Croácia, uns furos mais acima que Marrocos e o Canadá, que se apurou para um mundial passados 36 anos! Quase tanto tempo quanto o que passou desde a última glória mundial da Argentina. Desde 1986, ano em que Diego Maradona maravilhou o mundo, que a seleção agora comandada por Lionel Messi não é campeã. Tem um grupo acessível, apesar da presença de Robert Lewandowski (Polónia).

O jogo de abertura do Mundial colocará frente a frente o anfitrião Qatar e o Equador. E contará com a presença do português naturalizado Pedro Ró-Ró, que assim poderá mostrar ao mundo a evolução dos últimos anos e amealhar pontos que podem ser valiosos num grupo A onde o Senegal e Países Baixos são favoritos.

Até hoje apenas sete seleções lograram conquistar a Taça Jules Rimet. Portugal é uma das equipas mais cotadas que nunca o conseguiu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG