Maratona feminina antecipada uma hora

Siga aqui todas as notícias sobre os Jogos Olímpicos

DN

Maratona feminina antecipada uma hora

Devido às condições climatéricas adversas, o Comité Olímpico Internacional e a World Athletics decidiram antecipar em uma hora a partida da final da maratona feminina nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

Assim, a prova terá o seu início em Sapporo às 6 horas (às 22 horas em Portugal), de acordo informação do site da Federação Portuguesa de Atletismo.

Três atletas portuguesas (Sara Moreira, Salomé Rocha e Catarina Ribeiro) marcam presença nesta prova de atletismo de fundo.

EUA e surpreendente Japão na final do basquetebol feminino

Os hexacampeões em título Estados Unidos e o anfitrião Japão, que nunca tinha conquistado uma medalha, vão disputar no domingo a final do torneio feminino de basquetebol dos Jogos Olímpicos Tóquio2020.

As norte-americanas, super favoritas ao ouro, derrotaram a Sérvia, bronze no Rio2016, por 79-59, enquanto as japonesas, que tinham como melhor registo o quinto lugar de Montreal1976, bateram a França, quarta há cinco anos, por 87-71.

Na segunda meia-final, as nipónicas acabaram o primeiro período em desvantagem (14-22), mas estiveram imparáveis no segundo, que ganharam por 27-12, atingindo o intervalo já a vencer por sete pontos (41-34).

A formação anfitriã continuou melhor no terceiro período, alargando o avanço para 18 pontos (68-50), que controlaram tranquilamente no último.

Lusa

França vence Suécia e repete presença na final do andebol feminino

A vice-campeã França apurou-se esta sexta-feira para a final do torneio de andebol feminino de Tóquio2020, com um triunfo por 29-27 sobre a Suécia, e repete a presença na discussão do ouro no Rio2016, que perdeu para a Rússia.

A partida, que ao intervalo registava uma vantagem mínima para a França (15-14), foi equilibrada, com ambas as seleções a alternarem o comando do marcador, e as vice-campeãs olímpicas só se impuseram à entrada para os últimos 10 minutos.

A Suécia, primeira classificada do Grupo B e que nos quartos de final afastou a Coreia do Sul (39-30), entrou bem no jogo, com um parcial de 5-2, e após sucessivas igualdades (dos 7-7 aos 11-11), permitiu à França anular a vantagem e chegar ao intervalo a vencer por 15-14.

O equilíbrio e a incerteza quanto ao desfecho do jogo manteve-se no início da segunda parte, em que a seleção sueca, que marcou presença pela primeira vez nas meias-finais, voltou à liderança aos 18-17, com um parcial de três golos consecutivos.

As seleções voltaram a alternar o comando do marcador, com a França, terceira classificada do mesmo Grupo B, a dois pontos da Suécia (empataram 28-28), a passar para a frente aos 19-18 e as nórdicas a recuperarem a liderança aos 21-20.

A França, que nos quartos de final eliminou a seleção campeã mundial dos Países Baixos, quarta classificada no Rio2016, anulou a desvantagem com um parcial de 3-0 (23-21) e assumiu definitivamente o controlo do jogo a cerca de 10 minutos do fim.

A seleção gaulesa aumentou a vantagem para quatro aos 29-25, com dois golos consecutivos, mas a Suécia ainda reduziu para 29-27, já perto do apito final.

Lusa

Ana Cabecinha termina 20 quilómetros marcha no 20.º lugar

A portuguesa Ana Cabecinha concluiu esta sexta-feira na 20.ª posição a prova dos 20 quilómetros marcha dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, a 04.56 minutos da vencedora, a italiana Antonella Palmisano.

Em Sapporo, onde estão a ser disputadas as provas de atletismo de estrada, a marchadora do CO Pechão, natural de Beja, concluiu a prova com o tempo de 01:34.08 horas.

A atleta de 37 anos continua a deter o melhor resultado das provas de marcha em Jogos Olímpicos, com a sexta posição no Rio2016, depois do sétimo lugar em Londres2012 e do oitavo em Pequim2008.

A colombiana Sandra Arenas terminou a prova no segundo lugar e conseguiu a medalha de prata, enquanto a chinesa Liu Hong, campeã olímpica no Rio2016, repete o terceiro lugar de Londres2012 e volta a conquistar o bronze.

Lusa

Bach diz que a missão do COI "não é mudar os sistemas politicos"

O presidente do Comité Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, reafirmou esta sexta-feira que a missão do órgão que dirige "não é mudar os sistemas políticos", como o regime de Alexandr Lukashenko na Bielorrússia.

Thomas Bach respondeu desta forma quando questionado se o COI pretendia adotar novas medidas contra Minsk no caso da velocista bielorrussa Krystsina Tsimanouskaya, durante uma conferência de imprensa de balanço de Tóquio2020.

O COI anunciou a expulsão dos Jogos Olímpicos dos técnicos bielorrussos Artur Shimak e Yury Maisevich, depois de criar uma comissão disciplinar para "esclarecer as circunstâncias" em torno da tentativa de repatriamento forçado de Tsimanouskaya.

Lusa

EUA vencem Sérvia e garantem lugar na final de voleibol feminino

A seleção de voleibol feminino dos Estados Unidos qualificou-se esta sexta-feira para a final olímpica da modalidade, dos Jogos Tóquio2020, ao bater na meia-final a Sérvia, por 3-0 (25-19, 25-15 e 25-23).

Os Estados Unidos, que nos quartos se impuseram à República Dominicana, estiveram muito organizados no serviço e dominaram, com alguma facilidade, o encontro frente à Sérvia, medalha de prata há cinco anos nos Jogos Rio2016, depois de perderam a final frente à China.

Na final, agendada para domingo, as norte-americanas vão defrontar a seleção vencedora da outra meia-final que oporá, ainda hoje, o Brasil à Coreia do Sul.

Os Estados Unidos garantem assim uma medalha, depois de terem subido ao pódio nas três últimas edições dos Jogos Olímpicos, tendo sido prata em Pequim2008 e Londres2012 - em ambas com derrotas nas finais pelo Brasil -, e bronze no Rio2016.

Lusa

Maria Martins quer ir "prova a prova" na "adrenalina" da pista

A portuguesa Maria Martins admitiu esta sexta-feira que quer ir "prova a prova" na estreia em Jogos Olímpicos, numa participação inédita no ciclismo de pista em Tóquio2020, uma disciplina repleta de "adrenalina" em que compete no omnium.

A partir das 10:00 locais (02:00 em Lisboa), no Velódromo de Izu, a jovem de 22 anos corre scratch, tempo, eliminação e pontos na última manhã de competição, no dia em que a Cerimónia de Encerramento coloca um ponto final no evento.

"Estar nos Jogos é sempre um orgulho. Olhando para trás e ver o processo que tive até aqui, o quão difícil eu sei que foi qualificar-me para Tóquio, é especial. Era um sonho que eu queria realizar, mas nunca pensava que fosse alcançar tão cedo", conta à Lusa a ciclista, também campeã nacional de fundo na estrada.

Lusa

EUA vencem voleibol de praia feminino

Os Estados Unidos venceram esta sexta-feira a final do torneio de voleibol de praia feminino dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, com a norte-americana April Ross a conquistar a terceira medalha consecutiva, a primeira de ouro.

No Shiokaze Park, a dupla norte-americana, composta por April Ross e Alix Klineman, bateu as australianas Mariafe Artacho e Taliqua Clancy, com os parciais de 21-15 e 21-16, conquistando a medalha de ouro.

Esta foi a terceira medalha olímpica conseguida para April Ross, que chega finalmente ao ouro aos 39 anos, depois do bronze conquistado no Rio2016 e da prata arrecadada em Londres2012.

Na partida pelo terceiro lugar, a dupla da Suíça, composta por Anouk Verge-Depre e Joana Heidrich venceu Tina Graudina e Anastasija Kravcenkova, da Letónia, por 21-19 e 21-15, garantindo o bronze.

Lusa

Estados Unidos na final do torneio feminino de basquetebol

Os Estados Unidos garantiram esta sexta-feira um lugar na final do torneio de basquetebol feminino dos Jogos Olímpicos de Tóquio2020, após baterem a Sérvia, por 79-59, ficando a um triunfo do sétimo título consecutivo.

Na Saitama Super Arena, as norte-americanas comprovaram o estatuto de 'super favoritas' e dominaram a partida, chegando ao intervalo já a vencer por 41-23, frente à equipa que conquistou a medalha de bronze no Rio2016.

Esta foi a 44.ª vitória consecutiva da seleção feminina dos Estados Unidos em Jogos Olímpicos, com a última derrota a acontecer em 1992, em 05 de agosto, na cidade espanhola de Barcelona, perante a Comunidade dos Estados Independentes (países da antiga União Soviética), por 79-73.

Lusa

Canoístas lusos apuram-se para as meias-finais de K4 500 metros

Tóquio, 06 ago 2021 (Lusa) -- O K4 500 composto pelos canoístas Emanuel Silva, João Ribeiro, Messias Baptista e David Varela apurou-se hoje para as meias-finais dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, depois de ter sido quarto classificado nos 'quartos'.

No Sea Forest Waterways, numa regata que qualificava seis dos sete barcos, o quarteto luso cumpriu a prova em 1.24,325 minutos, atrás de Hungria, vencedora da série, Bielorrússia e China.

As meias-finais realizam-se no sábado, a partir das 10:21 (02:21 em Lisboa), sendo que a final decorre duas horas depois, às 12:37 (04:37).

Nas eliminatórias, uma má largada fez ruir as hipóteses de o quarteto luso seguir diretamente para as 'meias', reservadas somente aos dois primeiros colocados.

Esta é apenas a segunda prova internacional do K4 500 metros desde os Mundiais de 2019, nos quais se apurou para Tóquio2020, com o sexto lugar.

Posteriormente, a equipa treinada por Rui Fernandes, que nesse ano foi quarta nos II Jogos Europeus, em Minsk2019, só fez a Taça do Mundo deste ano, na qual foi quarta.

Devido a um problema renal de Emanuel Silva a dois dias do início da competição, o K4 500 metros não pôde fazer o último teste antes de Tóquio2020, que estava previsto para junho, nos Europeus de Poznan, na Polónia.

A canoagem portuguesa já se destacou na missão lusa com o bronze de Fernando Pimenta em K1 1.000 metros, além do sétimo lugar, correspondente a diploma, de Teresa Portela, em K1 500 metros.

Lusa

João Vieira foi 5.º nos 50 km marcha

Boa noite. A jornada olímpica deste dia 6 de agosto começa com uma excelente prestação do marchador português de 45 anos, que conseguiu a quinta posição nos 50 km marcha.

João Vieira, que teve a sua quinta participação olímpica, tinha até agora como melhor classificação o 10.º lugar nos 20 km marcha de Atenas 2004.

O português terminou em 3:51:28 horas, menos 13 minutos do que a marca que lhe valeu a medalha de prata nos Mundiais de Doha, em 2019.

A vitória foi para o polaco Dawid Tomala. O alemão Jonathan Hilbert terminou em segundo e o canadiano Evan Dunfee ficou com o bronze.

Para Portugal, fica mais um diploma olímpico.