Morreu o produtor de 'O Padrinho'

Robert Evans tinha 84 anos. É responsável por ter evitado a falência da Paramount nas décadas de 1960 e 1970.

O seu nome fica gravado na história do cinema como produtor de O Padrinho, Chinatown e A Semente do Diab". Mas acabaria por ser é também responsável por ter salvo a Paramount Pictures da falência nas décadas de 1960 e 1970. Robert Evans morreu no sábado com 89 anos, soube-se nesta segunda-feira, sem que a família tivesse adiantado pormenores.

"O nosso filho, Joshua, e eu sentiremos tremendamente a falta de Bob e estamos muito orgulhosos das suas enormes contribuições para a indústria do cinema. Ele será lembrado como um gigante", anunciou a ex-mulher do produtor, a atriz Ali MacGraw.

Evans tornou-se chefe de produção da Paramount em 1966, aos 36 anos, e em quase uma década no cargo fez o estúdio passar do último lugar para o topo das bilheteiras norte-americanas.

Apesar de muitos dos filmes que ajudou a produzir serem nomeados para os Óscares, a única indicação que Robert Evans teve da Academia foi com Chinatown (1974), um clássico dirigido por Roman Polanski com Jack Nicholson e Faye Dunaway nos principais papéis.

A sua vida pessoal também poderia ser transposta para os grandes ecrãs: Robert Evans foi casado sete vezes, nunca por mais de três anos. O casamento com a Catherine Oxenberg durou apenas uma semana.

Um dia disse uma frase interessante: "Há três lados em cada história: o meu lado, o seu lado e a verdade. E ninguém está a mentir. As memórias compartilhadas servem cada uma de maneira diferente."

Evans, que nasceu em Nova Iorque, era ator infantil na rádio e também na televisão. Mas foi quando trabalhava na Evan-Picone, uma empresa de roupas que era propriedade de seu irmão Charles, que a atriz Norma Shearer o conheceu na piscina do Beverly Hills Hotel. Depois disso, chegou a trabalhar como ator nos filmes O Homem das Mil Caras e O Sol também Brilha, baseado no romance clássico de Ernest Hemingway.

Exclusivos