Morna de Cabo Verde a bordo de voo da TAP

Músicos do espetáculo "De Lira com Morna" vão animar os passageiros do voo 1553 amanhã, dia 2 de setembro

Amanhã, 2 de setembro, o voo 1553 da TAP, entre Lisboa e Mindelo, na ilha de São Vicente, em Cabo Verde, vai ter um ritmo muito especial. Isto porque os passageiros irão viajar ao som de mornas tocadas ao vivo por um grupo de músicos cabo-verdianos.

Os artistas fazem parte do elenco do espetáculo "De Lira com Morna", que junta música e artes circenses. Será apresentado na mesma ilha, a 7 e 8 de setembro, e tem encenação de Pascoal Furtado e direção musical de Heloisa Monteiro. "De Lira com Morna" conta ainda com alto patrocínio da Presidência da República de Cabo Verde, no ano em que o governo cabo-verdiano entregou na UNESCO a candidatura da morna, o género musical mais emblemático do país, a Património Imaterial da Humanidade, esperando conhecer a decisão em dezembro de 2019.

Cabo Verde contou inclusivamente com o apoio de Portugal em todo o processo, com Paulo Lima, especialista na elaboração de processos de candidatura a Património Imaterial da Humanidade da UNESCO. Paulo Lima, também investigador da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, esteve envolvido nas candidaturas portuguesas ganhadoras do fado, cante alentejano e arte do chocalho.

À chegada ao aeroporto Cesária Évora, o grupo, no qual se inclui o conceituado guitarrista Armando Tito, vai tocar uma morna.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.