Memórias inesperadas do 11 de Setembro

Michael Keaton lidera o elenco de Valor da Vida, filme que evoca o trabalho da comissão que geriu as indemnizações das vítimas dos atentados contra o World Trade Center.

Com assinatura de Sara Colangelo (a cineasta que, em 2018, dirigiu A Educadora de Infância, insólito drama protagonizado por Maggie Gyllenhaal), aí está Valor da Vida, mais um filme sobre o 11 de setembro. O seu lançamento nas vésperas do 20.º aniversário dos atentados contra o World Trade Center (foi mostrado em janeiro, no Festival de Sundance) poderá recobri-lo com o rótulo rotineiro de "efeméride" que, de facto, não merece.

Desde logo porque se trata de fazer o inesperado retrato de um processo legal pouco conhecido e que, necessariamente, se vai ramificando por muitos caminhos de enorme perturbação dramática. Assim, Michael Keaton interpreta a personagem verídica do advogado Kenneth Feinberg, encarregado pelo governo dos EUA de presidir ao Fundo de Compensação das Vítimas do 11 de Setembro. Mais do que uma automática distribuição de "indemnizações", o seu labor envolveu muitas e delicadas nuances emocionais.

A certa altura, há mesmo uma cena em que Feinberg recebe a viúva de um bombeiro morto nas Torres Gémeas, tentando fazer-lhe ver que a sua comissão procurará encontrar uma solução equilibrada para "compensar" a sua perda - a mulher confirma que já foi contactada várias vezes, pedindo-lhe por tudo que não voltem a telefonar-lhe... Aliás, o seu caso acabará por se revelar ainda mais complicado, afinal servindo de símbolo das dificuldades que a equipa de Feinberg foi encontrando, incluindo o confronto com os interesses das companhias aéreas.

Herdando o espírito de um certo cinema liberal do período clássico de Hollywood, Valor da Vida (título original: Worth) sabe evitar a redução dos problemas que aborda a qualquer maniqueísmo moral. A progressiva alteração dos pontos de vista de Feinberg acaba mesmo por ser uma das fundamentais linhas de força do filme. Sem esquecer que este é um cinema alicerçado num conceito fundamental, também clássico: todas as personagens secundárias são importantes, servidas por um elenco em que encontramos Stanley Tucci e a sempre impecável Amy Ryan.

dnot@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG