Sofia Coppola vai realizar o primeiro filme da Apple

O ator Bill Murray será o protagonista de "On the Rocks".

No final do ano passado, a Apple anunciou uma parceria com o estúdio A24 para produzir uma série de filmes e o primeiro deles já está em marcha: vai chamar-se On the Rocks e será dirigido por Sofia Coppola, a realizadora de títulos como As Virgens Suicidas (1999) e Marie Antoinette (2006) e que ganhou um Óscar por Lost in Translation - O Amor é um Lugar Estranho (2003).

On the Rocks terá precisamente como protagonista o ator Bill Murray, de Lost in Translation, que aqui vai contracenar com Rashida Jones (atriz das séries de comédia The Office e Parks and Recreation). Será a história de uma jovem mãe que se reencontra com o seu pai em Nova Iorque.

A Apple, fundada por Steve Jobs em 1976, começou por ser uma empresa de tecnologia, famosa pelos computadores Mac, o iPhone, o iPod, iPad e outros aparelhos, mas neste momento já é muito mais do que isso. Neste momento, a empresa está a trabalhar numa dúzia de programas de televisão, com nomes de relevo como as atrizes Jennifer Aniston e Reese Witherspoon, e os realizadores Steven Spielberg, Damien Chazelle ou M. Night Shyamalan. O serviço de streaming da Apple ainda não tem data de lançamento previsto mas pode muito bem ser ainda em 2019.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O populismo identitário

O tema da coincidência entre Nação-Estado foi intencionalmente considerado um princípio da organização mundial quando o presidente Wilson conseguiu a sua inclusão no estatuto da Sociedade das Nações (SdN), no fim da guerra de 1914-1918, organismo em que depois os EUA decidiram não entrar. Acontece que nação é um termo que, exprimindo de regra, em primeiro lugar, uma definição cultural (costumes, tradições, valores), tem vocação para possuir um território e uma soberania, mas o princípio da SdN não impediu a existência, hoje extinta, da unidade checoslovaca, nem que, atualmente, o Brexit advirta que um eventual problema futuro para o Reino Unido está no facto de não ser um Estado-Nação, e identidades políticas, provavelmente duas ou mais nações, suas componentes, são europeístas.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.