Rapper 2 Milly processa criadores de Fortnite

O rapper alega que o videojogo usa sem autorização e sem o referir nos créditos uma dança que ele criou e que é referida no Fortnite como Swipe It

O rapper 2 Milly processou nesta quarta-feira os criadores do videojogo Fortnite, alegando que estes usaram ilegalmente uma dança que ele criou sem sequer o referirem nos créditos, avançou nesta quinta-feira a Associated Press.

O rapper de Brooklyn, na verdade chamado Terrence Ferguson, apresentou o processo num tribunal de Los Angeles. A dança em causa é referida no Fortnite como Swipe It, e é uma das várias que os jogadores podem comprar para as personagens com que jogam. 2 Milly diz que essa dança é retirada de Milly Rock, dança que ele criou em 2011 e que se popularizou em 2015 quando o tema com o mesmo título foi lançado.

"Nunca pediram a minha permissão", disse o rapper em comunicado. 2 Milly pediu à justiça uma ordem que proíba o jogo de continuar a usar a dança em questão e que haja consequências do uso alegadamente ilegal.

O porta-voz da Epic Games, criadora do Fortnite, Nick Chester recusou comentar o caso.

O rapper não é, contudo, a primeira pessoa a queixar-se da apropriação de movimentos por parte do jogo. O rapper Chance também já criticara o jogo por não incluir as músicas que estão por detrás das danças que aparecem no Fortnite. O ator donald Faison queixara-se já no Twitter pelas mesmas razões de 2 Milly: uso de uma dança sua. "Querido Fortnite... Estou lisonjeado? Parte de mim acha que devo falar com um advogado."

O Fortnite é um videojogo em que cada jogador começa por escolher uma personagem. Esse avatar é lançado de paraquedas numa ilha e tem de procurar armas e outros equipamentos, com o objetivo de matar todos os outros jogadores ao mesmo tempo que tem de sobreviver aos ataques dos inimigos.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.