Portalegre e Vila do Conde assinalam 50 anos da morte de José Régio

"José Régio é um vulto enorme da literatura portuguesa e merece todo o nosso respeito, estando a ser programado um conjunto de iniciativas de enorme dignidade," frisa a presidente da Câmara de Portalegre.

Exposições, palestras, reedições de livros e concertos vão marcar a evocação dos 50 anos da morte do poeta José Régio, em Vila do Conde (Porto) e Portalegre, até 2020, foi esta segunda-feira divulgado.

"Vão acontecer muitas coisas, estamos a trabalhar com um conjunto de entidades e o auge das evocações mais guardado é no final do ano, uma vez que José Régio nasceu em setembro e veio, depois, a falecer em dezembro", disse a presidente da Câmara de Portalegre, Adelaide Teixeira.

José Régio, pseudónimo de José Maria dos Reis Pereira, foi professor e escritor, tendo nascido em Vila do Conde a 17 de setembro de 1901 e falecido na mesma cidade a 22 de dezembro de 1969.

Licenciado em filologia românica, em Coimbra, José Régio foi professor no Liceu de Portalegre durante mais de 30 anos.

"As evocações vão decorrer até 2020, pois queremos que tenham impacto a nível nacional e internacional. José Régio é um vulto enorme da literatura portuguesa e merece todo o nosso respeito, estando a ser programado um conjunto de iniciativas de enorme dignidade", acrescentou.

Além de algumas iniciativas que já decorreram no início deste ano na cidade alentejana, as evocações dos 50 anos da morte de José Régio, autor de "Toada de Portalegre", prosseguem este mês.

Na quarta e quinta-feira, a Casa Museu José Régio, em Portalegre, recebe "Uma casa cheia", atividade de serviço educativo dirigida aos alunos do 1.º e 2.º ciclos do concelho.

Para o dia 23 deste mês (Dia Mundial do Livro), está prevista uma "maratona de leitura", subordinada ao tema "Régio na rua - História de mulheres", por iniciativa da Biblioteca Municipal de Portalegre.

"José Régio cidadão interveniente" é o tema da conferência marcada para o dia 26 deste mês, pelas 17:00, na casa-museu do poeta, sendo orador António Ventura, seguindo-se um debate com a participação de jovens políticos da cidade alentejana, que se vão debruçar sobre se, na atualidade, José Régio seria ou não um cidadão interveniente.

Ainda este mês, no dia 30, o Centro de Artes e do Espetáculo de Portalegre exibe o filme "Maria Papoila", de Leitão de Barros, a partir das 21:30.

José Régio, autor de "Fado português", que Amália Rodrigues gravou, "Cântico negro" e "Toada de Portalegre", entre outros poemas, foi professor no então liceu de Portalegre, cidade que preserva a sua casa como museu, incluindo coleções de escultura, pintura, faiança, mobiliário, metais e têxteis, destacando-se a dos Cristos.

A casa era uma pensão, onde Régio alugou um quarto, mas, ao longo dos 34 anos em que viveu na cidade, foi adquirindo outros quartos, até ficar com a casa por completo.

Em 1965, Régio vendeu a sua coleção ao município com a condição de este adquirir, restaurar e transformar a casa em museu, ficando o autor de "Vestido cor de fogo" com o usufruto até à sua morte. A casa-museu abriu portas a 23 de maio de 1971.

Além da poesia, o autor de "Davam grandes passeios aos domingos" escreveu teatro, ensaio e ficção.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.